Malária: colher de açúcar pode salvar vida de milhares de crianças

Uma simples colherada de açúcar com água, colocada debaixo da língua das crianças que sofrem de malária, poderia salvar milhares de vidas, afirma um estudo realizado no Mali com o apoio de uma equipe suíça, publicado pelo Malaria Journal.

AFP |

A malária afeta mais de 250 milhões de pessoas a cada ano, matando cerca de um milhão. Entre as vítimas fatais, 800.000 crianças, a maioria em populações africanas afastadas de centros de saúde, indicam os pesquisadores.

Entre 20 e 30% das crianças que sofrem de malária severa também padecem de hipoglicemia, o que multiplica por 3 ou 4 as chances de morrer por causa da doença.

Geralmente, o problema é tratado com a injeção de glicose por via intravenosa; muitas vezes, no entanto, quando a criança chega ao posto de saúde, já é tarde demais.

Com o apoio do pediatra e epidemiologista francês Hubert Barennes, coordenador do estudo, médicos nigerianos já recorriam à colher de açúcar há cerca de dez anos. Desde então, o método é considerado eficaz, mas nenhum estudo havia sido feito até então.

O ensaio clínico foi realizado no verão de 2006 com 23 crianças, que apresentavam quadros graves de malária e hipoglicemia, no hospital de Sikasso, no sul de Mali.

Uma parte das crianças recebeu uma colherada de açúcar levemente umidificada a cada 20 minutos sob a língua, ou com intervalos mais curtos, caso a mistura fosse absorvida antes. Os outros foram tratados com injeções de glicose.

Segundo os pesquisadores, não foi constatada uma diferença significativa entre os dois grupos, com uma taxa de resposta ao tratamento de aproximadamente 70%.

Ainda que a pesquisa tenha sido feita com um grupo pequeno de crianças, os resultados "justificam o uso de açúcar sob a língua nas comunidades e sua extensão em uma escala maior", estimam os autores do estudo.

Procurado pela AFP, Barennes destacou que a hipoglicemia atinge principalmente as crianças, "que dispõem de reservas menores que os adultos, e por isso são muito sensíveis a qualquer oscilação do nível de glicose".

chc/ap/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG