Mais um ministro britânico renuncia, e pede saída de Brown

Por Adrian Croft LONDRES (Reuters) - O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, sofreu um duro golpe nesta quinta-feira ao perder um terceiro membro de seu gabinete, que deixou o governo pedindo ao premiê que também renuncie para melhorar as perspectivas eleitorais do Partido Trabalhista.

Reuters |

De acordo com um porta-voz, Brown está desapontado com a renúncia do secretário de Trabalho e Previdência, James Purnell.

Estrela em ascensão no trabalhismo, Purnell publicou uma devastadora carta-renúncia no jornal The Times, em mais um sinal de contestação à liderança de Brown no partido.

Ele, terceiro ministro a renunciar nesta semana, afirmou que não disputará a liderança do partido, mas sua dramática intervenção pode estimular o surgimento de um desafiante a Brown.

A notícia da renúncia surgiu ao final da jornada eleitoral em que foram escolhidos parlamentares locais e europeus, com forte favoritismo para a oposição conservadora.

A assessoria de Brown não se manifestou sobre os ataques de Purnell, que também não foi localizado para comentar.

A popularidade do Partido Trabalhista, no poder desde 1997, foi seriamente afetada pelo recente escândalo envolvendo gastos supérfluos de parlamentares com verbas públicas. A oposição pressiona para que o premiê antecipe as eleições, previstas para ocorrerem até junho de 2010.

"Acredito agora que a continuidade da sua liderança torne uma vitória conservadora mais provável, e não menos. Portanto, peço-lhe que se ponha à parte e dê ao nosso partido uma chance de lutar pela vitória", escreveu Purnell.

Há rumores de que até 75 deputados trabalhistas (um quinto da bancada) estejam dispostos a assinar uma carta pedindo a renúncia de Brown, que deve reformular seu gabinete depois da eleição desta quinta-feira.

Um boato de que Brown teria renunciado, desmentido equalificado por assessores como "absurdo absoluto", fez com que em poucos minutos a libra caísse 3 centavos em relação ao dólar, num sinal de como os mercados reagiriam a uma troca no comando partidário durante a pior recessão na Grã-Bretanha nas últimas décadas.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG