Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Mais três adeptos de seita russa que espera o fim do mundo saem de refúgio

Convencidos de que Deus enviou um sinal, três dos 14 membros da seita ortodoxa russa, entre eles um bebê de 20 meses, que permaneciam em um refúgio subterrâneo há cinco meses à espera do fim do mundo deixaram o local nesta quarta-feira.

AFP |

Duas mulheres, aparentemente em bom estado de saúde, e um bebê deixaram o local.

O abrigo fica perto da cidade de Nikolskaia, na região de Penza, 700 km ao sudeste de Moscou.

A mãe e seus dois filhos foram convencidos por Piotr Kuznetsov, o líder da seita, que foi autorizado a abandonar o hospital psiquiátrico em que estava internado para persuadir seus seguidores.

Kuznetsov entrou na quarta-feira no refúgio por um buraco provocado pelo desabamento de certas cavidades. Ele afirmou aos seguidores que "Deus derrubou o refúgio e que agir contra Deus é um pecado grave", explicou Oleg Melnichenko, vice-governador de Penza.

"Agora só restam 11", disse à imprensa. Todas as crianças estão do lado de fora.

"Esperamos convencer os últimos a sair até o fim do dia", acrescentou.

Trinta e cinco membros da seita se trancaram no vasto refúgio de várias cavidades construído sob a terra no início de novembro de 2007, à espera do fim do mundo em maio de 2008. Eles ameaçaram se inmolar no caso de uma tentativa de retirada à força.

Na terça-feira, 14 deles abandonaram o local após o desabamento parcial e pediram garantias para se instalar em uma casa da região à espera do fim do mundo.

Quatro dias antes, sete adeptos decidiram sair do abrigo.

A seita renega qualquer avanço tecnológico, como telefones ou energia elétrica. As autoridades russas ofereceram uma vaca aos membros que deixaram o refúgio para que pudessem beber leite, já que também se recusam a ingerir a bebida engarrafada por culpa do código de barras, que para eles equivale a um pecado.

kof-neo/fp

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG