Mais de 8 mil mortos após forte terremoto na China

Pelo menos 8.530 pessoas morreram nesta segunda-feira na província chinesa de Sichuán (sudoeste), após um forte terremoto de 7,8 na escala Richter, que afetou também áreas vizinhas, segundo um registro oficial.

AFP |

Um balanço divulgado pelo Centro Nacional de Emergência às 22h00 locais (11h00 de Brasília) e citado pela agência estatal de notícias Nova China e pela televisão estatal cita 7.651 mortes.

O tremor, ocorrido às 14h30 locais (03h30 de Brasília), afetou também as províncias de Gansu (noroeste) e Yunán, além do município autônomo de Chongqing (sudoeste).

O epicentro foi registrado no distrito de Wenchuan, a 93 km de Chengdu, capital da província de Sichuán, onde vivem mais de 10 milhões de pessoas, segundo o Instituto Nacional de Geofísica dos Estados Unidos (USGS).

A Nova China confirmou a morte de pelo menos 50 estudantes em Sichuán após o desabamento do instituto em que se encontravam, enquanto que outros 850 ainda se encontravam sob os escombros.

Na mesma província foram registrados dois desmoronamentos de fábricas de produtos químicos, o que deixou centenas de funcionários sob os escombros e obrigou a retirada de cerca de 6.000 pessoas, segundo a mesma fonte.

Antes de conhecer a amplitude das perdas, o primeiro-ministro chinês Wen Jibao descreveu, nesta segunda-feira, o terremoto como um "desastre" e pediu "calma e coragem" à população.

"Diante do desastre, o mais importante é calma, a confiança, a coragem e uma direção forte", declarou o chefe de governo em um avião que o levava para Sichuán.

As autoridades temem que o balanço de vítimas fatais continue aumentado, já que várias testemunhas asseguraram que muitos edifícios foram destruídos.

Segundo um funcionário do Escritório de Sismologia, "filas inteiras de casas" foram destruídas na cidade de Dujiangyan, de cerca de 600.000 habitantes e próxima do epicentro.

Vários moradores de Chengdu, contatados por telefone pela AFP, explicaram ter sentido um forte tremor, que inclusive quebrou as janelas.

O aeroporto internacional dessa cidade de mais de 10 milhões de habitantes está temporariamente fechado. Contudo, segundo um informe da rede de televisão CCTV, em Chengdu o transporte público e o abastecimento elétrico continuavam funcionando.

O presidente chinês, Hu Jintao, por sua vez, ordenou os "maiores esforços para resgate as vítimas do tremor". Desta forma, o Exército foi mobilizado para "auxiliar o governo local do distrito de Wenchuan a avaliar a situação e ajudar nos trabalhos de resgate", explicou à Nova China Tian Yixiang, um oficial do Exército Popular de Libertação, membro do departamento de situações de emergência.

O presidente americano George W. Bush expressou "suas condolências" pelo terremoto e ofereceu ajuda ao país, anunciou a Casa Branca nesta segunda-feira.

"O presidente expressa suas condolências às famílias que perderam seus entes queridos no terremoto", disse a porta-voz da Casa Branca, Dana Perino.

Perino ressaltou que a Casa Branca está à espera de mais informações sobre o terremoto.

bur-phm/fb/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG