Mais de 70.000 israelenses em manifestação de solidariedade aos homossexuais

TEL AVIV - Mais de 70.000 pessoas se reuniram neste sábado à noite em Tel Aviv para manifestar sua solidariedade à comunidade homossexual, após a morte, na semana passada, de dois de seus membros em um ataque.

AFP |

AP

Público agita bandeiras de Israel e do movimento gay durante protesto em solidariedade às vítimas do ataque a tiros em clube de Tel Aviv

O presidente israelense, Shimon Peres, o ministro da Educação, Gideon Saar, e o prefeito de Tel Aviv, Ron Huldai, participaram do ato, entre outras personalidades.

"Os disparos feitos contra esta orgulhosa comunidade nos afetaram como seres humanos, como judeus e israelenses. A pessoa que atacou as duas vítimas atacou todos nós", disse Peres.

"Todos têm direito de ser diferentes e de ter orgulho disso. Ninguém tem o direito de intervir na vida do outro enquanto forem respeitadas a lei e a ordem (...) Vim compartilhar suas lágrimas (...) Tenham ânimo, sejam fortes", acrescentou o presidente israelense.

No palco instalado na Praça Isaac Rabin, em frente à Prefeitura de Tel Aviv, um enorme cartaz proclamava: "continuamos com orgulho, reunião de solidariedade, de tolerância e de lembrança", enquanto que uma bandeira com as cores do arco-íris, símbolo da comunidade homossexual, era exibida.

No dia 1º de agosto, um homem não-identificado, vestido de preto e usando uma máscara, abriu fogo contra um centro de ajuda psicológica a jovens homossexuais de Tel Aviv.

Um jovem, que servia como monitor nesse centro, e uma adolescente, morreram no ataque. Doze pessoas ficaram feridas, três delas com gravidade.

Como medida de precaução, a Polícia mobilizou vários homens por causa das ameaças aos homossexuais lançadas pela internet ou por telefone.

Um soldado ultraortodoxo suspeito de ser o autor de algumas dessas ameaças foi detido em Jerusalém, anunciou a Polícia.

A Polícia acredita que se trata de um caso de vingança pessoal, sem descartar que o assassino possa ter sido movido por sentimentos de ódio aos homossexuais.

Leia mais sobre Israel

    Leia tudo sobre: gaysisraelmortetel aviv

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG