Mais de 60 policiais feridos em Taiwan em protestos contra a China

TAIWAN - Pelo menos 64 policiais foram feridos na madrugada de quinta-feira para sexta-feira em Taipé em violentos confrontos com manifestantes separatistas contrários à visita de uma autoridade chinesa.

Redação com agências internacionais |

Os confrontos foram provocados pela visita do presidente da Associação para as Relações entre as duas Margens do Estreito de Taiwan (ARATS), Chen Yunlin.

AP
Manifestante pró-Taiwan protesta contra a visita de Yunlin

Segundo a imprensa, 20 manifestantes e jornalistas também foram feridos quando a manifestação foi dispersada com jatos d'água. Os manifestantes atiraram pedras e coquetéis Molotov contra a polícia, que não divulgou o número exato de detenções realizadas.

Segundo a liderança do opositor Partido Democrata Progressista (PDP), os protestos tinham como objetivo "proteger a soberania de Taiwan".

Visita

O negociador chinês Chen Yunlin, foi a Taiwan selar importantes acordos econômicos, além de se preparar para uma futura cooperação financeira. Os intensos protestos não impediram a assinatura de quatro acordos sobre transporte aéreo e marítimo, laços postais e segurança alimentar.

Chen se reuniu com o presidente de Taiwan, Ma Ying-jeou, e o titular do Parlamento local, Wang Jin-pyng, que lhe pediram a retirada dos mísseis chineses que apontam para o território taiuanês e um maior espaço de manobra internacional para a ilha.

O negociador chinês evitou os assuntos políticos e o uso dos títulos oficiais dos dirigentes taiuaneses, e assinalou que "agora o mais importante é completar as negociações econômicas".

Em sua última aparição pública antes de deixar a ilha, o negociador chinês prestou uma emotiva homenagem à Polícia local dizendo que "não tinha palavras para agradecer trabalho realizado" para protegê-lo.

Os independentistas, que têm o apoio de mais de um terço do eleitorado, se opuseram à visita de Chen, por temer acordos que comprometessem a soberania local e levassem a sua união com a China.

O presidente taiuanês insistiu em que não foram firmados acordos políticos em seu encontro com Chen, e afirmou que a soberania e a dignidade nacional não estão comprometidas.


Leia mais sobre Taiwan

    Leia tudo sobre: taiwan

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG