Mais de 560 soldados estrangeiros morreram no Afeganistão em 2011

Em 2010, 711 perderam a vida na guerra contra o Talebãn. Tropas estão sendo reduzidas aos poucos

AFP |

Sob a liderança dos Estados Unidos, as tropas estrangeiras no Afeganistão continuam pagando um preço alto por suas missões, com mais de 560 mortos em 2011, o segundo maior número de mortos gerado nos 10 anos de guerra contra a insurgência talebã.

Os comandantes da Organização do Tratado do Altântico Norte (Otan) dizem que a violência está em declínio na região, desde o envio extra de 33 mil soldados americanos ao terreno. A Organização das Nações Unidas (ONU), no entanto, diz que violência tem aumentado na região, com greves em massa sendo geradas no país pelas vítimas dos talibãs.

O número de mortos de soldados estrangeiros em 2011 foi de 565. Os países que perderam mais soldados foram os EUA e a Grã-Bretanha, com 417 e 45, respectivamente, segundo uma contagem da AFP baseada em números do site independente icasualties.org. A França ficou em terceiro com 26 soldados.

Em 2010, foram registradas 711 mortes de soldados, contra 521 em 2009.

A contagem de mortos agravou-se após vários ataques devastadores, incluindo o bombardeio do carro de um comboio da Força Internacional de Assistência à Segurança (ISAF, na sigla em inglês) em Cabul em outubro, que matou 17 soldados, e o abate de um helicóptero em Wardak, ao sul da capital, em agosto, quando 30 soldados dos EUA morreram.

Contudo, são os civis afegãos que pagam o preço mais alto.

O ataque mais violento do ano deixou ao menos 60 mortos em Cabul , no dia sagrado da Ashura no início de dezembro.

As tropas americanas, no entanto, já começaram a deixar o território afegão: 10.000 soldados deixaram o país este ano e o restante deve sair até o próximo outono. Outras forças estrangeiras também têm reduzido suas missões e devem sair integralmente até 2014.

Desde a invasão liderada pelos EUA que derrubou o talibã em 2001, um total de 2.846 soldados estrangeiros morreram no conflito.

"Vimos uma redução considerável dos ataques inimigos (este ano). Isso é um resultado de sucesso no campo de batalha e significa uma redução de sua capacidade de nos atacar", disse o porta-voz da Isaf, o brigadeiro-general Carsten Jacobson.

    Leia tudo sobre: AfeganistãoTalebãntropas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG