Mais de 20 corpos amordaçados são encontrados em cidade mexicana

Corpos estavam amontoados em veículos abandonados próximo aos Arcos do Milênio, um dos principais pontos turísticos de Guadalajara

iG São Paulo |

Ao menos 23 corpos amarrados e amordaçados foram encontrados abandonados em veículos no centro de Guadalajara, a segunda maior cidade do México que sediou a mais recente edição dos Jogos Panamericanos.

AP
Policiais retiram da rua van encontrada com corpos em Guadalajara, México

De acordo com a Promotoria, os homens assassinados foram encontrados às 6h29 (2h29 em Brasília) em duas vans e uma pickup abandonados próximo aos Arcos do Milênio, um dos pontos turísticos da cidade.

Os arcos estão localizados a menos de 2 km do Expo Guadalajara, centro onde foram realizados eventos como os Jogos Panamericanos e a Feira Internacional de Livros, que começa no sábado e se autodenomina como a mais importante feira de livros escritos em espanhol do mundo. São esperados mais de 600 mil visitantes no local.

Luis Carlos Najera, secretário de segurança pública do Estado de Jalisco, onde fica Guadalajara, disse na manhã desta quinta-feira que uma mensagem foi encontrada em um dos veículos, mas não deu mais detalhes. Geralmente, os cartéis mexicanos deixam mensagens de ameaça no corpo de suas vítimas para disseminar o medo e ter crédito por suas ações.

Respondendo à pergunta de um repórter, Najera afirmou a rede de TV Televisa que acreditava que a recente paz em Guadalajara era resultado do aumento da segurança e não de uma trégua imposta entre os cartéis durante os jogos.

Ele se recusou a comentar os possíveis motivos para os assassinatos, dizendo apenas que os investigadores tinham "várias hipóteses". Segundo o jornal El Universal, no exterior de uma das caminhonetes foi encontrada uma manta feita pelo grupo Milenio-Zetas.

A cidade turística tem um histórico de tráfico de metanfetamina controlado pelo cartel Sinaloa. O poder desse grupo foi abalado com a morte de seu comandante regional, Ignacio "Nacho" Coronel, durante um tiroteio com a polícia federal em julho de 2010.

Os índices de homicídio em Guadalajara dispararam devido às brigas entre as duas principais facções do cartel, conhecidas como Nova Geração e Resistência, que lutam para obter o posto do Coronel e controlar seus territórios. Tiroteios constantes deixaram centenas de mortos na cidade e nos arredores.

Oficiais da segurança disseram temer que o caos permita uma entrada para o cartel Zetas, que usa táticas paramilitares e pratica atrocidades para se apoderarem dos territórios de antigos grupos do crime organizado.

Houve uma leve redução na violência durante outubro, devido ao influxo de policiais e soldados à cidade por conta dos Jogos Panamericanos. Porém, com o fim do evento, a criminalidade voltou a aparecer, com assassinatos em massa e corpos sendo abandonados pelas ruas.

Na quarta-feira, 17 corpos foram encontrados queimados em duas pickups em um ataque similar em Sinaloa, Estado do México onde nasceu o cartel de mesmo nome. Doze corpos estavam no porta-malas da caminhonete, alguns deles algemados e vestidos com coletes à prova de balas.

Com AP e Reuters

    Leia tudo sobre: méxicoguadalajaracorposviolênciacarteldrogatráfico

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG