Mais acidentes aéreos mas menos mortes em 2008, diz IATA

GENEBRA (Reuters) - Mais de 500 pessoas morreram em acidentes aéreos em aviões construídos por empresas ocidentais em 2008, e falhas de segurança das companhias aéreas contribuíram com quase um terço dos acidentes, de acordo com a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA, na sigla em inglês). O número de 502 ficou abaixo do registrado em 2007, quando 692 pessoas morreram, mas a quantidade de acidentes teve leve alta.

Reuters |

A taxa de acidentes no setor em 2008, medida pela perda de estrutura do avião para cada milhão de vôos, foi de 0,81, ou um acidente para cada 1,2 milhão de vôos. Em 2007, este índice foi de 0,75.

Um quarto dos acidentes em 2008 foi causado por aviões que saíram da pista durante aterrissagem ou pouso. Danos em terra representaram 17 por cento, de acordo com o que divulgou a IATA nesta quinta-feira.

Cerca de 4 bilhões de dólares em danos às aeronaves e equipamentos em terra foram registrado, disse a IATA.

Trinta por cento dos acidentes tiveram "gestão de segurança deficiente no nível da companhia aérea como um fator colaborador", de acordo com o grupo baseado em Genebra e que representa 230 empresas aéreas.

"Nosso objetivo é zero acidentes e zero mortes. Nada maior que isso é um resultado aceitável", disse o diretor-geral da IATA, Giovanni Bisignani.

(Reportagem de Stephanie Nebehay)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG