Maioria das prostitutas em Pequim rejeita preservativo

Pequim, 26 nov (EFE).- Mais da metade das cerca de 90.

EFE |

000 prostitutas que trabalham em Pequim rejeitam o uso do preservativo, apesar de o contágio da aids ter aumentado na capital, assinala um estudo oficial publicado hoje pela imprensa chinesa.

O mesmo estudo, divulgado pelo Escritório Municipal de Saúde Pública, ressalta que durante o último ano o contato sexual se transformou na principal via de contágio do Vírus de Imunodeficiência Humana (HIV) na China.

Além disso, assinala que somente 46,5% das 90.000 prostitutas que trabalham em Pequim usam o preservativo.

No entanto, se desconhece o índice de infecção do HIV na prostituição, oficialmente proibida na China, já que ainda não foi realizado um programa particular de análise, acrescenta o relatório.

EFE mz/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG