Maiores avanços de pesquisas espaciais estão na Terra

Orlando Lizama. Washington, 19 jul (EFE).- O forno de microondas, o velcro, o Sistema de Posicionamento Global (GPS, na sigla em inglês), as lentes de contato e o laser são objetos e instrumentos que já se tornaram corriqueiros, mas que não existiriam hoje se não fossem as tecnologias desenvolvidas a partir de pesquisas espaciais.

EFE |

Desde que os Estados Unidos e a antiga União Soviética (URSS) iniciaram a corrida espacial no fim dps anos 1950, mas, sobretudo, desde que o homem pisou na Lua, há 40 anos, as invenções para o espaço e suas aplicações na Terra passaram a fazer parte de nossas vidas.

As coisas seriam muito mais difíceis hoje se não existissem os equipamentos sem fios, as fraldas infantis descartáveis, as frigideiras de Teflon antiaderentes, os termômetros digitais ou os simples códigos de barras, que simplificaram o comércio e que foi uma invenção da Nasa (agência espacial americana) para identificar as milhares de peças de suas naves.

"É fascinante a forma como as tecnologias desenvolvidas para a prospecção espacial entraram em nossas vidas", afirmou Karina Edmonds, ex-funcionária do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL, na sigla em inglês) da Nasa.

"As pessoas se espantariam se soubesse quantas coisas usadas em sua vida diária tiveram origem" nos esforços científicos da Nasa, acrescentou.

Segundo Debora Wolfenbarger, do Programa de Inovações do JPL, disse à Agência Efe que a tecnologia espacial teve e continua tendo um grande impacto na vida do cidadão comum.

Já que a porcentagem que a prospecção espacial recebe do orçamento geral é muito pequena, Débora considera que o investimento tem valido a pena.

O orçamento geral foi de US$ 2,9 trilhões em 2008 e 0,6% desse total foi atribuído à Nasa.

No dia 20 de julho de 1969, o astronauta americano Neil Armstrong foi o primeiro homem a deixar sua pegada na Lua. A partir desse dia, os saltos da ciência espacial foram gigantescos.

E muitas de suas aplicações entraram na vida cotidiana em qualquer lugar do planeta e começaram a ser comercializadas sem surpreender ninguém.

Desde os dias que o programa Apollo levou Armstrong à Lua, satélites científicos, meteorológicos e de comunicações transmitem suas imagens a todo o mundo.

A informação dos satélites meteorológicos se transformou em um elemento vital para a previsão precisa do tempo, com vários dias de antecedência.

Esses mesmos satélites são os que determinaram o degelo das calotas polares causado pelo aquecimento global, assim como o grau de poluição no planeta.

Para os cientistas, a aplicação mais importante da ciência espacial foi o GPS, que permite localizar com precisão um ponto em qualquer lugar do planeta com a ajuda de satélites.

Segundo a Nasa, por trás da simplicidade deste equipamento existe um conhecimento científico enorme sobre o movimento e as mudanças registradas na Terra.

O sistema, que já se tornou habitual em automóveis e até em telefones celulares, tem aplicações científicas muito relevantes, porque pode localizar o movimento das placas tectônicas, medir o aumento dos níveis marítimos e, sobretudo, tornar a navegação aérea muito mais segura, segundo a Nasa.

A lista das aplicações da era espacial à vida diária, quase interminável, inclui também os sensores infravermelhos que medem as ondas de calor dos planetas e das estrelas, que agora foram incorporados aos termômetros sem mercúrio.

O equipamento com o qual Armstrong perfurou as pedras lunares que trouxe à Terra abriu caminho para o desenvolvimento de aparelhos sem fio.

Os monitores cardíacos para controlar a saúde dos astronautas são usados hoje nos hospitais, assim como as lentes de contato, desenvolvidas para proteger os navegantes do espaço da luz ultravioleta.

Outra invenção é o Teflon, que foi criado para proteger os foguetes e os alimentos desidratados na falta de gravidade do espaço. Hoje ele é usado para cobrir frigideiras, o que facilita na hora da lavagem, já que elas se tornam antiaderentes.

O último dos avanços da era espacial é um sistema de conversão de urina em água potável, que já é usada nas naves e na Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês).

No entanto, o avanço ainda não chegou à Terra. EFE ojl/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG