Maior parte da cocaína para Europa Ocidental sai da Venezuela

A Venezuela é o ponto de partida da maior parte da cocaína que entra na Europa Ocidental, e a região dos Bálcãs, na Europa Oriental, estabelece-se como uma nova rota de entrada da droga para o continente, informou nesta quarta-feira a Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes (Jife) em seu relatório de 2009.

EFE |

"Segundo a Organização Mundial das Alfândegas, na Europa Ocidental a maior parte da cocaína entra por contrabando procedente da República Bolivariana da Venezuela", indicou o órgão independente dentro do sistema da ONU que vigia o cumprimento dos acordos internacionais sobre drogas.

A Jife ressalta que as apreensões de cocaína caíram na Europa Ocidental em 2008. No entanto, a droga passou a chegar na região passando pelos Bálcãs e Europa Oriental, vias de acesso que antes só eram usadas para introduzir ilegalmente o ópio que chegava da Ásia.

"O crescente número de remessas de cocaína da América do Sul a países da Europa Oriental mostram a tendência relativamente nova desse tráfico", assegura o relatório.

A Jife ressalta que África Ocidental continua sendo utilizada como lugar de "armazenamento e trânsito da cocaína" para a Europa, mas se observou "um diminuição do número de apreensões de cocaína e de seu volume total".

O meio principal para transportar a cocaína da América Latina à Europa é o navio. O relatório especifica que fretes marítimos dessa droga procedente da Colômbia e Equador tiveram "como destino principalmente Croácia e, em segundo lugar, os Países Baixos e Montenegro" em 2008.

A Junta explica que os traficantes utilizam novos métodos para introduzir a droga na Europa Oriental, como demonstra a apreensão de 164 quilos de cocaína líquida na Eslováquia, engarrafada e declarada como "vinho tinto".

Consumo

O consumo de cocaína diminuiu durante 2008 na Espanha, Reino Unido, Alemanha, Áustria e Suíça, enquanto aumentou na Irlanda e França.

Em nível geral, o uso de maconha, ecstasy e anfetaminas ficou no mesmo patamar ou caiu graças às campanhas de prevenção. No entanto, também se detectou em alguns países como Dinamarca, Reino Unido e Espanha que os usuários dessas drogas as substituíram por cocaína, sem fornecer à Jife mais detalhes.

A Europa também continua sendo o maior mercado de resina de maconha do mundo. O maior volume total de apreensão dessa substância foi de 628 toneladas, registrado na Espanha em 2008.

"A Europa é a única região do mundo na qual entram por contrabando grandes quantidades de erva de maconha procedentes de outras regiões, como África e Ásia", indica a Jife.

Na Europa Oriental, aumentou a presença de drogas derivadas de opiáceos, em sua grande maioria heroína procedente do Afeganistão, especialmente na Albânia, Belarus, Croácia, Rússia e Moldávia.

No total, na Europa existem entre 2 milhões e 2,5 milhões de consumidores de opiáceos, sendo o país mais afetado Rússia, com 1,68 milhões de usuários desse tipo de droga.

As maiores apreensões de heroína corresponderam, por ordem decrescente, ao Reino Unido, Itália e Alemanha, enquanto os principais países de origem são os Países Baixos, Turquia, Bélgica e Paquistão.

    Leia tudo sobre: drogas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG