Magnata chinês é condenado a 19 anos de prisão por corrupção

Xangai (China) - O magnata Zhang Rongkun foi condenado a 19 anos de prisão por seu envolvimento no escândalo dos fundos de previdência de Xangai, o maior caso de corrupção conhecido na China na última década, disse hoje o jornal Shanghai Daily.

EFE |

Zhang foi julgado em Songyuan (província de Jilin, nordeste), longe de Xangai, para evitar que pudesse ser favorecido por seus círculos de influência.

Além de ter sido condenado a 19 anos, o magnata viu sua fortuna avaliada em US$ 228 milhões ser confiscada.

Seu julgamento era o mais esperado do caso, junto ao do antigo secretário-geral do Partido Comunista da China (PCCh) de Xangai, o principal cargo político da Prefeitura, Chen Liangyu, que começou em Tianjin (cerca de mil quilômetros de Xangai) no final de março.

O escândalo, no qual US$ 408 milhões foram desviados do fundo de previdência local, levou à condenação de cerca de 20 líderes políticos e empresariais de Xangai.

Zhang, de 35 anos, foi presidente da maior companhia de equipamentos industriais do país e fundou a investidora Fuxi Investment. Ele foi um dos primeiros detidos relacionados com o caso de corrupção em 2006.

O magnata, que planeja apelar da decisão, foi declarado culpado de utilizar bilhões de iuanes de ativos estatais para subornar altos funcionários e diretores empresariais, manipular os preços de suas ações, emitir bônus fraudulentos e apropriar-se de capital ilegalmente.

Suas duas companhias de investimentos, a Fuxi Investment e a Feidian Investment, foram multadas em quase US$ 42 milhões, que serão confiscados.

    Leia tudo sobre: china

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG