Mãe de sequestrador de menina nos EUA achava que ela era sua neta

A mãe de Phillip Garrido, acusado de ter raptado a menina Jaycee Lee Dugard em 1991 e de tê-la mantido sequestrada por 18 anos, explicou neste domingo à imprensa britânica que pensava que a menina era sua neta.

AFP |

Patricia Garrido, de 88 anos, explicou ao jornal britânico Sunday Mirror que seu filho apresentou Dugard a ela como "Allissa", filha de um relacionamento anterior, e assegurou que não conhecia a verdadeira história até a Polícia da Califórnia deter seu filho no mês passado.

"Não sabia que ela estava lá contra a sua vontade. Estava em minha cama e tudo o que sabia era que essa sorridente menina vinha me ver", relatou.

"Ela sempre pareceu feliz de estar ali. Achava que era minha neta. Não sabia o que aconteceu com ela até agora, mas gosto dela. Espero que esteja bem", acrescentou.

Garrido explicou a sua mãe que as duas meninas, que concebeu com sua sequestrada e que agora têm 15 e 11 anos, eram também fruto de um relacionamento anterior.

"Não lembro como as duas meninas chegaram lá, mas pensei que eram de Phillip. Me disse que todas eram suas filhas", assegurou Patricia.

Dugard, que hoje tem 29 anos, foi sequestrada fora de sua casa quando tinha 11 anos e foi mantida em poder de Garrido (condenado por estupro) em uma prisão de barracas, até ser libertada no mês passado.

Patricia Garrido acrescentou que não via nada de anormal no fato de Dugard e as crianças viverem fora da casa, porque ela cresceu em uma granja e "era normal passar muito tempo fora por causa do barulho".

A idosa defendeu sua nora Nancy, também acusada junto com Garrido.

"Nancy tem um coração enorme e todo mundo parecia feliz. Allissa era uma menina muito feliz. Ainda a chamo de Allissa porque ele nunca me disse que se chamava Jaycee. Simplesmente não achava que houvesse nada de ruim nisso", se defendeu.

Patricia negou as informações de que teria ajudado Dugard no parto de suas duas filhas e assegurou que está lutando para que toda a verdade seja revelada.

"Eram todas umas meninas encantadoras. Simplesmente pensei que eram minha família. Não tenho nem ideia de por que fez algo assim (seu filho). Não sei o que aconteceu com ele, mas entristeceu toda a família", concluiu.

ar/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG