Uma mãe alemã, acusada da morte de dois de seus bebês, confessou nesta terça-feira ter congelado seus corpos no freezer da família, mas negou ter sido responsável pela morte das crianças, no início de seu julgamento.

Em um caso macabro que chocou o país, o filho adolescente da mulher descobriu os corpos de três pequenas irmãs congelados, embrulhados em toalhas e sacos plásticos dentro do freezer, quando procurava por um pedaço de pizza.

A dona de casa Monika Halbe, de 44 anos, entrou no tribunal escondendo o rosto com seu casaco, e não se manifestou na abertura dos trabalhos.

Ela seguiu os procedimentos judiciais com uma expressão distante e chorou discretamente algumas vezes.

Na argumentação inicial, o advogado de defesa Andreas Bartholome afirmou que a mãe, que já tinha três filhos, foi bastante ambivalente a respeito de ter ou não mais bebês.

Membros da família de Halbe disseram aos investigadores que nunca notaram outras gestações na mulher. Segundo Bartholome, sua cliente afirmou que nenhuma delas havia sido "intencional ou não intencional".

O advogado destacou, no entanto, que Halbe tem pavor de médicos, acrescentando que ela sofreu algum tipo de abuso sexual que a traumatizou.

"Para evitar a situação insuportável de consultar um médico, ela simplesmente esperou" quando ficou grávida, ele disse, revelando ainda que a mulher é alcoólatra.

A promotoria acusa Halbe pelo assassinato de duas das bebês: uma em 1988 e outra entre 2003 e 2007.

Acredita-se que uma terceira menina tenha sido morta em 1986 ou 1987, mas neste caso o crime já teria expirado.

Monika Halbe pode ser condenada a até 15 anos de prisão.

Quando perguntada no tribunal se queria que seus filhos sobrevivessem depois do nascimento, ela apenas balançou a cabeça lentamente.

"Rejeitamos a acusação de homicídio", declarou Bartholome ao juiz.

De acordo com o advogado, Halbe admitiu ter colocado os bebês mortos no freezer, localizado no porão de sua casa, em 1986, 1988 e 2004.

"Ela não tinha medo de que alguém encontrasse os bebês", disse Bartholome. "Acima de tudo, ela queria que os bebês estivessem perto dela".

O marido e os três filhos da acusada, que alegam não ter percebido as gravidezes, devem depor no tribunal na próxima semana.

rh-dlc/ap

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.