Lupi minimiza impacto do terremoto japonês sobre Brasil

Segundo ministro do Trabalho, indústrias brasileiras que exportam para país asiático podem sofrer perdas, que serão revertidas

AE |

selo

Os efeitos catastróficos do terremoto que ocorreu no Japão na semana passada devem ocasionar perdas para indústrias brasileiras que exportam para o país asiático no curto prazo, mas ao longo do tempo essas consequências devem ser revertidas com novas encomendas para a reconstrução das cidades japonesas. A avaliação foi feita hoje pelo ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi.

"O efeito que pode ocorrer agora em alguns setores pode ser contrabalançado pelo aumento de encomendas em outros, para a reconstrução do país", disse Lupi. "Você perde por um lado, mas aumenta por outro. Então o saldo deve ser positivo", completou.

Ele também ressaltou que, como as encomendas são feitas com certa antecedência, o impacto do terremoto deve demorar a chegar às vendas do Brasil. "Além disso, está se injetando muito dinheiro lá, não só pelo Japão, mas também por outros países que estão ajudando", acrescentou Lupi.

Na manhã desta terça-feira, o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) informou que o saldo líquido de empregos criados com carteira assinada no país em fevereiro foi de 280.799, conforme os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). No acumulado do primeiro bimestre deste ano, a criação de novos postos de trabalho foi de 448.742.

    Leia tudo sobre: japãoterremototremortsunamicarlos lupi

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG