Luminosidade excepcional de explosão estelar é perceptível a olho nu

O satélite Swift, da Nasa, captou em março uma poderosa emanação de raios gama provenientes da explosão de uma estrela, cuja excepcional intensidade luminosa foi perceptível a olho nu, informou a agência americana nesta quarta-feira.

AFP |

Essa observação do Swift deu aos astronautas as imagens mais detalhadas, até hoje, de um evento cósmico dessa natureza. O fenômeno também foi capturado por outros satélites e telescópios na Terra.

Swift detectou a explosão da estrela a 7,5 bilhões de anos-luz, na constelação de Bouvier, às 6h13 GMT (3h13 de Brasília), de 19 de março. A emanação de raios gama esteve quase diretamente orientada para a Terra.

"Swift é conhecido por detectar explosões excepcionalmente potentes de raios gama e, com essa explosão, realmente capturamos uma grande quantidade", confirmou o astrônomo e principal cientista da missão, Neil Gehrels, do Centro de Vôos Espaciais Goddard, da Nasa, em Maryland (leste dos EUA).

Uma explosão dessa intensidade na direção da Terra é um evento raro, que acontece aproximadamente uma vez a cada década, disseram os astrônomos, que o nomearam GRB 080319B.

Em um estudo que aparecerá na última edição da revista britânica "Nature", nesta quinta-feira, a astrônoma Judith Racusin, da Universidade da Pensilvânia (leste), e uma equipe de 92 pesquisadores descrevem todas as observações do Swift iniciadas 30 minutos antes da explosão da estrela e durante os meses seguintes, para analisar seus efeitos.

Os cientistas concluíram que a extraordinária luminosidade resultou de uma emanação de materiais estelares projetados diretamente para a Terra, quase na velocidade da luz.

js/tt

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG