Lula reafirma aliança com Morales e oferece apoio em referendo constitucional

Abraham Zamorano. Arroyo Concepción (Bolívia), 15 jan (EFE).- O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reafirmou hoje sua aliança política e econômica com seu colega da Bolívia, Evo Morales, a quem ofereceu apoio no referendo sobre a nova Constituição boliviana, previsto para 25 de janeiro e que é rejeitado por quatro regiões opositoras.

EFE |

Os governantes se reuniram na brasileira Corumbá e em Arroyo Concepción, no lado boliviano da fronteira, para reforçar suas relações, num encontro que Lula aproveitou para mostrar seu apoio às reformas políticas de Morales.

"Está em curso uma refundação democrática (na Bolívia) que procura reduzir desigualdades e valorizar a diversidade. Tenho a convicção de que o referendo para a nova Constituição será um passo decisivo nesse rumo", disse Lula, que confessou estar "atento e admirado" com o processo.

"Hoje existe uma nova Bolívia. Seu povo clama por transformações que tragam novas esperanças e perspectivas para todos", afirmou o presidente brasileiro, que se disse disposto a colaborar com o povo boliviano e a reforçar ainda mais a relação estratégica entre ambos os Governos.

Em matéria de energia, tal aliança inclui garantir o fornecimento "adequado" de gás para o parque industrial brasileiro, avançar na exploração conjunta de recursos energéticos e formar conjuntamente os funcionários da empresa estatal Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB), disse Lula.

O governante brasileiro destacou que Morales "foi fiel à sua palavra de que nunca faltará gás para o Brasil", em virtude do que frisou que "não faltarão investidores e consumidores brasileiros para essa riqueza do povo boliviano".

A reunião de Lula e Morales aconteceu poucos dias depois de a demanda brasileira pelo gás boliviano ter caído de 31 milhões de metros cúbicos diários para 19 milhões, devido a um aumento na quantidade de energia gerada no Brasil a partir de usinas hidrelétricas.

No entanto, o Executivo boliviano conseguiu um acordo com o Brasil para aumentar os envios para 24 milhões de metros cúbicos ao dia até maio.

No encontro com Morales, o governante brasileiro também destacou a necessidade de a relação com a Bolívia ser aprofundada em outras áreas, como a policial e a de defesa. Além disso, disse que emprestará helicópteros para que o Governo boliviano reforce o controle sobre a fronteira entre ambos os países.

Em seu encontro, Lula e Morales inauguraram um trecho da estrada interoceânica que unirá a costa do sul do Brasil, no Atlântico, aos portos do norte do Chile, no oceano Pacífico.

O corredor deve ser concluído ainda este ano, já que só faltam 82 quilômetros de estrada, destacou o presidente brasileiro, segundo quem, com esta rodovia, a "Bolívia se consolidará como polo estratégico da integração" regional.

Também em matéria de infraestruturas viárias, os dois governantes assinaram um convênio para a pavimentação de um trecho da via entre Villa Tunari, no departamento (estado) de Cochabamba, e a localidade de San Ignácio del Moxos, na região de Beni, que no futuro poderá ligar La Paz à fronteira brasileira.

Por sua vez, Evo Morales agradeceu ao Brasil sua cooperação no desenvolvimento de infraestruturas e assegurou que seu encontro com Lula, longe de ser protocolar, serviu para que "acordos e dificuldades" fossem revisados.

Morales disse que ele e Lula manterão reuniões periódicas em localidades fronteiriças para rever acordos entre ambos os Governos e estudar novos projetos.

Após sua reunião com o presidente da Bolívia, Lula deve partir do aeroporto de Corumbá para a Venezuela, onde se reunirá amanhã com seu colega venezuelano, Hugo Chávez. EFE az/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG