BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou nesta quinta-feira em Brasília de homenagem aos 18 militares mortos no terremoto que devastou o Haiti na semana passada. Com os caixões cobertos com bandeiras do Brasil, os militares foram promovidos em uma cerimônia póstuma que contou também com a presença do vice-presidente, José Alencar, ministros e autoridades.

Lula se referiu aos militares como "bravos soldados" que morreram "cumprindo a mais nobre missão humanitária" já realizada pelas Forças Armadas brasileiras.

"Estou falando de destemidos compatriotas que chegaram ao Haiti levando a seguinte mensagem àquela gente sofrida: 'vocês não estão sozinhos'", declarou o presidente em cerimônia emocionada na Base Aérea de Brasília.

Após um minuto de silêncio em homenagem às vítimas, Lula e a primeira-dama, Marisa, cumprimentaram os familiares dos militares mortos.

No Rio de Janeiro, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, participou de cerimônia ao diplomata Luiz Carlos da Costa, o número dois da missão de paz da Organização das Nações Unidas no Haiti. Costa morreu quando o prédio da entidade desabou durante o terremoto.

Autoridades haitianas estimam que entre 100 mil e 200 mil pessoas tenham morrido no forte sismo da semana passada, que deixou em ruínas a capital haitiana, Porto Príncipe. Entre os mortos estão 21 brasileiros -- 18 militares e três civis. Outro brasileiro segue desaparecido.

Na quarta-feira, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, disse à Reuters que o governo pedirá ao Congresso a aprovação do envio de mais 1.300 soldados brasileiros ao Haiti.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.