Lula faz apelo pela continuidade no fornecimento de gás da Bolívia

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez neste sábado um apelo à Bolívia para que o acordo de fornecimento de gás ao Brasil seja respeitado.

Redação com agências internacionais |


Clique para ver a galeria de fotos dos protestos na Bolívia

Em visita à cidade de Petrópolis, na região serrana do Rio, ele afirmou que ouviu os pronunciamentos do presidente boliviano Evo Morales dizendo que não vai permitir que o patrimônio público seja danificado pelos manifestantes das províncias oposicionistas.

O presidente lembrou também que o Brasil não pode interferir em assuntos internos da Bolívia e tudo o que pode fazer é pedir para que as partes envolvidas entrem num entendimento.

Sem confirmar sua presença em encontro marcado para ocorrer na próxima segunda-feira, com a participação dos presidentes dos países que integram a União de Nações Sul-Americanas (Unasul) , para discutir a situação na Bolívia, Lula disse que o encontro só deve ser realizado se este for o desejo do presidente boliviano.

Ele ainda comentou as ameaças de fechamento da fronteira Brasil-Bolívia: "se a fronteira ficar fechada, quem perde é o país mais pobre. Não é o Brasil. Não queremos fechar a fronteira nem um minuto. Mas, se eles, ou seja, os bolivianos que estão participando do movimento, o fizerem, eles têm que saber que isso é prejudicial a eles".

O presidente disse, em uma entrevista coletiva depois de participar da inauguração do Centro Federal de Educação Profissional e Tecnológica (Cefet), que deseja que a Bolívia se desenvolva, tenha sua democracia consolidada e viva tranquilamente.

"Oposição tem direito de fazer oposição. Mas tudo tem limite. Porque se extrapolar os limites, todo mundo perde. E acho que, na Bolívia, não tem que todo mundo perder, tem que todo mundo ganhar. Porque a Bolívia precisa disso", finalizou.

Crise política na Bolívia

A Bolívia vive há semanas uma onda de protestos contra o governo em várias regiões do país controladas pela oposição, que gerou choques desde terça-feira passada.

Os governadores regionais opositores de Santa Cruz, Beni, Pando, Tarija e Chuquisaca exigem que Morales devolva a receita petrolífera que as regiões recebiam pelo Imposto Direto aos Hidrocarbonetos (IDH) e que o Governo cortou para dar um auxílio direto aos idosos.

Estes governadores promoveram processos de autogoverno em suas regiões que o Executivo qualifica de "ilegais" e "separatistas". Também rejeitam frontalmente a Constituição impulsionada por Morales e suas bases.


Mapa político da Bolívia

Leia também:

Leia mais sobre: crise na Bolívia

* Com Agência Brasil e EFE

    Leia tudo sobre: bolívia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG