Brasília, 24 jun (EFE).- O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a governante das Filipinas, Gloria Macapagal Arroyo, decidiram hoje promover uma maior aproximação entre o Mercosul e a Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean).

Macapagal Arroyo realizou hoje sua primeira visita de Estado ao Brasil, país ao qual qualificou de "modelo de democracia" e com o qual manifestou o desejo de reforçar a cooperação bilateral, em especial nos setores agrícola e de biocombustíveis.

Em declaração conjunta, os dois governantes expressaram apoio ao processo de diálogo entre o Mercosul e a Asean, que começou a tomar forma em novembro, com a primeira reunião de altas autoridades dos dois blocos, realizada em Brasília.

O Mercosul reúne Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, enquanto a Asean é integrada por Mianmar, Brunei, Camboja, Indonésia, Laos, Filipinas, Malásia, Cingapura, Tailândia e Vietnã.

Os dois blocos, considerados por Lula e Macapagal "fatores de prosperidade e estabilidade" em suas regiões, agendaram uma reunião de autoridades para agosto em Kuala Lumpur (Malásia) e um encontro em nível ministerial, que acontecerá em setembro em Nova York, à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas.

A troca comercial entre Mercosul e Asean totalizou no ano passado US$ 12 bilhões, valor que tanto Lula quanto Macapagal Arroyo disseram ser pequeno para o tamanho das economias que fazem parte dos dois blocos.

Em discurso durante um almoço oferecido em homenagem à governante filipina, Lula reiterou sua tese de que a reforma dos organismos financeiros internacionais imposta pela atual crise global deve reconhecer o peso dos países emergentes e dar a eles mais voz e mais voto nesses fóruns.

"A crise nos mostra que o mundo não pode ser regido por um clube de sete ou oito países ricos, sem levar em conta mais da metade da humanidade", disse Lula, que acrescentou que os organismos financeiros internacionais "não podem seguir sendo um condomínio de europeus e americanos".

No marco da visita de Macapagal Arroyo foram assinados convênios bilaterais nas áreas de agricultura e de bioenergia, este último com ênfase na cooperação para o desenvolvimento de etanol elaborado com cana-de-açúcar.

Após o encontro com Lula, Macapagal Arroyo se reuniu com as autoridades do Congresso e do Supremo e, em seguida, viajou ao Rio de Janeiro, onde amanhã se reunirá com autoridades locais. EFE ed/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.