Lula e García debatem projetos conjuntos de integração regional

Rio de Janeiro, 28 abr (EFE).- O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seu colega peruano, Alan García, decidiram hoje fortalecer as relações comerciais e continuar promovendo a integração em ambos os lados da fronteira, para que os países deixem de se dar as costas pela primeira vez em 500 anos.

EFE |

"O Peru sempre olhou para o Pacífico e nós, para o nosso litoral, e deixamos nossas fronteiras abandonadas por séculos e séculos.

Esperamos que, a partir de agora, os peruanos e os brasileiros vivam outra relação e não olhem para o norte, mas para nós mesmos", disse Lula em Rio Branco (Acre).

O acordo mais relevante assinado pelos chefes de Estado no encontro desta terça-feira foi um memorando de intenções para a construção de seis hidrelétricas em solo peruano, que consumirão US$ 4 bilhões em investimentos e, inicialmente, abastecerão o Brasil.

Este projeto, que será desenvolvido em conjunto pelas estatais Eletrobrás e Electroperú, também prevê a construção de uma linha de transmissão de 600 megawatts, que ligará as redes elétricas de ambos os países.

Além da integração energética, os presidentes se comprometeram a impulsionar o turismo e o comércio na região. Nas operações comerciais, os dois ficaram de estudar medidas para adotar o real em substituição ao dólar, cujo uso, segundo García, é "absurdo" e "o mais anti-integracionista que existe".

Também foi definido que, num prazo de 60 dias, os ministros e as autoridades fronteiriças terão que eliminar os impedimentos ao comércio, como a baldeação de cargas e as longas filas na Alfândega.

Na área de infraestruturas, Lula e seu colega peruano inauguraram um trecho de 600 quilômetros da estrada interoceânica que, até o fim de 2010, unirá o coração da Amazônia brasileira à costa peruana do Pacífico.

Por ocasião da abertura da estrada, também foi inaugurada uma linha de ônibus que, a partir de maio, terá partidas diárias entre Rio Branco e Manaus.

Antes de se encontrar com Lula, García participou da abertura de um fórum empresarial binacional. No ato, ele disse aos empresários brasileiros da região de Manaus que utilizem a estrada interoceânica como "uma porta" para seu comércio com a Ásia.

"Temos que criar um espaço de desenvolvimento na fronteira que permita o livre trânsito entre Rio Branco e Puerto Maldonado, e fazer com que a estrada interoceânica não seja só uma via para o Pacífico", disse o chefe de Estado venezuelano.

A intenção do país andino é reforçar as relações com a região sul e a Amazônia brasileira, aumentar o tráfego fluvial e impulsionar a aviação civil.

Neste aspecto, García propôs medidas como considerar os voos entre Rio Branco e Puerto Maldonado como trajetos nacionais, para baratear os custos das tarifas aeroportuárias.

Além disso, pediu que o aeroporto da capital do Acre voltar a ter status internacional, para que possa novamente ter conexões com Lima.

Estas questões voltarão a ser tema de uma reunião entre os chanceleres do Brasil, Celso Amorim, e do Peru, José Antonio García Belaúnde, que se encontrarão na cidade histórica de Machu Picchu nos próximos meses.

Antes do fim do ano, Lula retribuirá a visita e voltará a se encontrar com o governante peruano em Lima.

"Espero que nessa reunião possamos assinar acordos definitivos e que a integração se concretize e não fique sendo apenas um sonho", declarou Lula. EFE mp/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG