perdeu relevância - Mundo - iG" /

Lula diz que Conselho de Segurança perdeu relevância

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse neste sábado, em seu discurso na abertura da 2ª Cúpula América do Sul-África (ASA), que o Conselho de Segurança das Nações Unidas perdeu relevância. Neste debate sobre a nova governança global, uma coisa é certa: o Conselho de Segurança das Nações Unidas perdeu relevância, afirmou o presidente no encontro realizado em Isla Margarita, na Venezuela.

BBC Brasil |

"Devemos trabalhar juntos pela sua reforma, sob pena de perder a oportunidade de garantir nosso direito a uma voz nas grandes questões da agenda internacional", disse.

As declarações de Lula foram feitas um dia depois de o Conselho de Segurança ter condenado os "atos de intimidação" do governo interino de Honduras contra a embaixada brasileira na capital, Tegucigalpa, onde o presidente deposto, Manuel Zelaya, está abrigado desde segunda-feira.

A reunião do Conselho de Segurança na sexta-feira foi realizada a pedido do Brasil e teve a presença do ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim.

Ao relatar a situação da representação brasileira em Honduras diante do conselho, Amorim disse ter "indícios concretos" de que a embaixada poderia ser invadida por militares hondurenhos.

Antes da declaração condenando o cerco à embaixada, a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Susan Rice, que preside o Conselho, teria criticado o tom do discurso do chanceler brasileiro.

Neste sábado, o Conselho de Segurança também foi criticado por outros líderes presentes na cúpula realizada na Venezuela. Minutos antes da intervenção do presidente brasileiro, o líder líbio, Muamar Khadafi, disse que a situação do conselho é "insustentável".

"Eles têm direito a veto, e nós não temos direito algum", afirmou o líder líbio.

Na declaração final da Cúpula ASA, que termina neste domingo, os países deverão exigir reformas à Organização das Nações Unidas, nas quais estará incluído o Conselho de Segurança.

Honduras

A crise política em Honduras é assunto permanente nos corredores entre as delegações que participam da Cúpula.

Em seu discurso, Lula reiterou a condenação à deposição de Manuel Zelaya. "Lutamos muito para varrer para a lata do lixo da história as ditaduras militares. Não podemos permitir retrocessos deste tipo no nosso continente", afirmou.

Desde sexta-feira o Brasil vem trabalhando em um documento que deverá ser aprovado pelos demais chefes de Estado e representantes de governo que participam da Cúpula.

O documento deverá reiterar a condenação às agressões sofridas pela embaixada brasileira e pedir a restituição de Zelaya ao poder como saída para solucionar a crise em Honduras.

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, que é o anfitrião da cúpula, disse que os líderes rejeitam as agressões contra a embaixada brasileira.

"Lançaram gases tóxicos contra a embaixada, viram até onde chega a loucura desses golpistas?" , disse Chávez a jornalistas brasileiros.

Na sexta-feira, o presidente deposto de Honduras havia afirmado que a embaixada brasileira foi alvo de bombas de gás lacrimogêneo lançadas pelas forças de segurança do país. Um porta-voz da polícia, no entanto, negou o ataque.

Para Chávez, que disse "saber de tudo" em relação ao retorno Zelaya a Honduras, a solução da crise dependerá das pressões exercidas pela comunidade internacional.

"É preciso presssionar e pressionar. As Nações Unidas deveriam estabelecer sanções contra este governo (interino)", disse.

Manuel Zelaya foi deposto e expulso de Honduras em 28 de junho. Na última segunda-feira, ele retornou ao país sem a autorização do governo interino, que cobra a sua prisão, e se refugiou na embaixada brasileira em Tegucigalpa.

O governo interino que assumiu o poder em Honduras, comandado por Roberto Micheletti, não é reconhecido pela comunidade internacional.

    Leia tudo sobre: honduras

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG