BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta segunda (12) que o Brasil está empenhado em colaborar para um acordo de paz entre judeus e palestinos. ¿Nós gostaríamos que, no Oriente Médio, árabes e judeus vivessem como vivem árabes e judeus aqui no Brasil¿, comparou, em seu programa semanal de rádio Café com o Presidente.

Ele comentou comentou a viagem do ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, à Faixa de Gaza. Eu mandei o Celso Amorim visitar o Oriente Médio para dizer que o Brasil está interessado em participar ativamente, para que a gente possa encontrar definitivamente o caminho da paz naquele território, naquele espaço geográfico, acrescentou.

O presidente reafirmou o reconhecimento brasileiro da criação do Estado do Israel, mas disse que o povo palestino merece a chance de ter um Estado próprio. Ele defendeu o diálogo entre as partes.

Nós precisamos detectar quem quer os conflitos, colocar essas pessoas numa mesa de negociação, junto com as forças políticas que têm influência tanto na Autoridade Palestina, sobretudo no Hamas e no povo de Israel, para que a gente possa começar uma conversação e encontrar uma fórmula para que eles possam viver em paz e cada um desenvolver o seu país. 

Na avaliação do presidente, o papel da Organização das Nações Unidas é fundamental para a solução do conflito, desde que as decisões do Conselho de Segurança sejam respeitadas tanto por palestinos quanto por judeus.

Lula voltou a defender a realização de um encontro multilateral para discutir o cessar-fogo na Faixa de Gaza, nos moldes da Conferência de Annapolis, nos Estados Unidos, em novembro do ano passado, em que autoridades de Israel e palestinos discutiram intenções e diretrizes de um acordo de paz no Oriente Médio.

Essa gente tem que sentar à mesa com os países que querem construir a paz. É preciso que a gente envolva todas as pessoas que tenham a ver com os conflitos no Oriente Médio para que a gente possa encontrar um caminho, disse.

Ajuda humanitária

Cerca de 14 toneladas de alimentos e remédios enviadas pelo Brasil devem ser transportadas de caminhão nesta segunda-feira para Faixa de Gaza, segundo informações da embaixada brasileira em Amã, na Jordânia. O avião Hércules C-130 da Força Aérea Brasileira (FAB) pousou na manhã deste domingo com os suprimentos em Amã.

Divulgação

Avião da FAB chega à Amã (Jordânia)

De acordo com nota oficial do Ministério de Relações Exteriores, o Brasil enviou os suprimentos atendendo a um pedido feito pela delegação diplomática da Autoridade Nacional Palestina em Brasília.

A caixas com suprimentos foram carregadas em caminhões com cartazes em árabe e inglês identificando a carga como doação do governo brasileiro e vão ser levadas a Gaza com o apoio da Organização Jordaniana Hachemita de Caridade.

Número de vítimas

Mais de 900 pessoas morreram em 17 dias de ofensiva israelense contra o Hamas na Faixa de Gaza, informou o chefe dos serviços de emergência do território palestino.

Desde que Israel iniciou a operação em resposta ao lançamento de foguetes contra seu território, pelo menos 905 palestinos morreram e 3.950 foram feridos, de acordo com Muawiya Hassanein.

Entre as vítimas fatais estão 277 crianças, completou Hassanein.

17º dia de ataques

Leia também

Vídeos

Opinião

Leia mais sobre: Oriente Médio

    Leia tudo sobre: lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.