Lula começa na A.Saudita viagem que busca ampliar comércio

Brasília, 15 mai (EFE).- O presidente Luiz Inácio Lula da Silva partiu hoje para a Arábia Saudita, no que será a primeira escala de uma viagem que o levará também a China e Turquia e que tem como meta ampliar os horizontes comerciais com esses três países.

EFE |

O fluxo comercial do Brasil com essas três nações superou no ano passado US$ 43 bilhões (US$ 36,444 bilhões com a China, US$ 5,5 bilhões com a Arábia Saudita e US$ 1,15 bilhões com a Turquia) e a intenção da viagem é ampliá-lo, especialmente com o gigante asiático, onde Lula fará a segunda escala da viagem.

Nos três casos, também se trata de atrair investimentos e de promover a instalação de empresas brasileiras nos mercados árabe, chinês e euro-asiático.

O presidente, que partiu de Brasília às 13h55, chegará à capital saudita amanhã e terá seu primeiro compromisso oficial à noite, quando será recebido pelo rei Abdullah bin Abdul Aziz Al-Saud.

Em Riad, será acompanhado por 50 empresários brasileiros que terão reuniões com sauditas. Lula fará um discurso no domingo com a intenção de convidar investidores ao Brasil, especialmente nas áreas de petróleo e gás.

O presidente chegará na segunda-feira a Pequim, onde nesse mesmo dia terá uma primeira reunião com o chefe de Estado Hu Jintao, com quem, além de assuntos econômicos e comerciais, discutirá uma vasta agenda global.

Dentro dessa agenda está incluída a reforma da ONU e de outros organismos multilaterais, assim como o possível reatamento da Rodada de Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC).

Na China, estarão com Lula 250 empresários brasileiros que tentarão ampliar seus horizontes comerciais com o país asiático, que desde março passado é o maior comprador mundial de produtos brasileiros.

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, explicou que a intenção é diversificar a matriz comercial e dotá-la de produtos com maior valor agregado, pois 76,9% das exportações brasileiras para a China são matérias-primas.

Na nova oferta que o Brasil apresentará à China haverá aviões da empresa Embraer, motores flex para veículos, que admitem alcool e gasolina, e maquinarias agrícolas, assim como carnes e outros alimentos.

Está previsto também que Brasil e China anunciem um plano de ação quinquenal (2010-2014), com metas de crescimento para o comércio bilateral e de cooperação em diversos setores, incluindo o espacial.

Segundo o ministro, Lula também negociará novos investimentos da China no país, que nos últimos seis anos só somaram US$ 99 milhões, um terço do que o Brasil investiu no que hoje é seu principal parceiro comercial.

Outro ponto na agenda serão os investimentos mútuos na área de petróleo e gás, que se darão pelo interesse da Petrobras em fechar acordos com estatais chinesas para empreender projetos de prospecção de petróleo em águas profundas desse país.

Lula permanecerá em Pequim até quarta-feira, quando irá a Istambul, na primeira visita de um chefe de Estado brasileiro à Turquia.

Na quinta-feira, conhecerá lugares históricos e depois fechará um seminário que reunirá empresários brasileiros e turcos, após o que viajará para Ancara, onde na sexta-feira será recebido pelo presidente Abdala Gül.

Na capital turca, Lula também se reunirá com o primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan e com líderes do Parlamento, e assistirá à inauguração do Centro de Estudos da América Latina da Universidade de Ancara, que será sua última atividade oficial antes de retornar, no sábado, ao Brasil.

    Leia tudo sobre: china

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG