Lula chega ao Japão para Cúpula do G8

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou nesta terça-feira a Sapporo, na ilha de Hokkaido (norte do Japão), para participar da cúpula ampliada do Grupo dos Oito países mais ricos (G8).

Redação com agências internacionais |

  • G8 discute crise dos alimentos e mudanças climáticas
  • Crise dos alimentos pode deixar 100 mi na miséria, alertam ONU e Bird
  • Dezenas de ativistas protestam contra G8 no Japão
  • Líderes africanos pressionam G8 para que cumpra suas promessas
  • Britânicos 'precisam cortar desperdício de alimentos', diz premiê
  • Após descansar no hotel por algumas horas, Lula manterá reuniões bilaterais com os presidentes do México, Felipe Calderón; China, Hu Jintao, e Coréia do Sul, Lee Myung-Bak, disse à AFP um diplomata brasileiro.

    O Brasil integra o Grupo dos Cinco (G5), ao lado de México, China, Índia e África do Sul, e foi convidado para a sessão ampliada do G8 sobre a mudança climática, na quarta-feira.

    Os líderes do G5 se reunirão na tarde desta terça, durante duas horas, na cidade de Sapporo, 150 km de Toyako, onde ocorre a Cúpula do G8, antes de conceder uma entrevista coletiva.

    Da sessão ampliada do G8 sobre o clima participarão ainda os líderes de Austrália, Indonésia e Coréia do Sul; e os chefes do Banco Mundial, ONU, Agência Internacional de Energia e Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos (OCDE).

    No encontro, Lula defenderá o etanol brasileiro e pedirá aos países industrializados que assumam mais responsabilidades diante do aquecimento do planeta.

    "O Brasil não aceitará este argumento de que o etanol provoca a inflação dos alimentos. Estou indo ao Japão, à reunião do G8, apenas para isto", afirmou Lula no Brasil, antes de partir.

    Inclusão do Brasil

    EUA e Japão rejeitam entrada de emergentes no G8 . Por outro lado, uma pesquisa realizada pelo instituto de pesquisas políticas Brookings Institution, de Washington, revelou que 63% das autoridades de 16 países são a favor de uma versão ampliada do G8 , com a inclusão de Brasil, Índia, China, África do Sul e México.

    A enquete também aponta que 85% dos consultados acreditam que o mundo precisa de ''um mecanismo que atue como um guia global'', mas que ''apenas 15% acreditam que o G8 esteja desempenhando esta tarefa''.

    Na pesquisa, foram ouvidas 76 autoridades governamentais e especialistas de 16 países de economias desenvolvidas e emergentes, entre eles Brasil, Estados Unidos, Alemanha, Grã-Bretanha, França, Argentina, Rússia e China.

    O que é o G8

    O poderoso clube de países reunido em Hokkaido foi criado em 1975, após a crise do petróleo, com seis membros. No ano seguinte o Canadá foi incorporado e, em 1997, a Rússia. Na época, as oito nações acumulavam 65% do PIB mundial.

    Atualmente, o grupo representa 58% do PIB mundial, e é responsável por 60% das emissões de gases que produzem o efeito estufa.

    Esta é a maior cúpula do G8 desde 1975, pois receberá até quarta-feira líderes de 22 países: seus oito membros, sete economias emergentes e sete nações pobres, que querem que os mais ricos mantenham suas promessas de ajuda ao desenvolvimento.

    (*Com informações da agência EFE, BBC e AFP)

    Leia mais sobre: G8





      Leia tudo sobre: g8

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG