Brasil, Rússia, Índia e China, as potências emergentes que formam o grupo BRIC, pretendem em sua primeira reunião, esta terça-feira na Rússia, exercer uma liderança responsável para ajudar a reconstruir um governo global em momento de crise, afirma o presidente Luiz Inácio Lula da Silva em um artigo publicado no jornal espanhol El País.

"Há cada vez mais esperanças depositadas em que nossos quatro países sejam capazes de exercer uma liderança responsável com o objetivo de ajudar a reconstruir um governo global e um crescimento sustentável para todos", destaca Lula no texto.

A primeira reunião de cúpula deste grupo informal, na cidade russa de Ekaterinburgo, "representa um fato importante na relação de nossos países com um mundo que está experimentando mudanças profundas", acrescenta o presidente brasileiro.

No texto, Lula se compromete ao lado dos colegas de BRIC a "oferecer respostas novas para velhos problemas que precisam de respostas urgentes", assim como "uma liderança corajosa frente à inércia e indecisão".

Os BRIC pedem ainda a adoção de um sistema de supervisão supranacional do sistema financeiro internacional, o fim dos subsídios agrícolas que prejudicam suas exportações e recursos para a adaptação tecnológica dos países em desenvolvimento.

Na reunião do G20 de Londres, em abril, também conseguiram o "compromisso de estabelecer um fundo que forneça ajuda econômica rápida e eficaz - sem dogmas neoliberais - aos países prejudicados pela repentina queda das exportações e a crise do crédito", lembra Lula no artigo.

Também afirma que o grupo pressionará por uma nova tentativa de levar a Rodada de Doha a uma conclusão rápida e equilibrada.

Por fim, considera "urgente a renovação nas Nações Unidas para que as instituições multilaterais recuperem a importância".

esb/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.