O presidente eleito do Paraguai, Fernando Lugo, poderá nomear como ministro das Relações Exteriores Alejandro Hamed Franco, um descendente de árabes suspeito pelos Estados Unidos de manter vínculos com a rede terrorista Al-Qaeda, informaram nesta quinta-feira porta-vozes da presidência em Assunção.

"Não basta dizer 'esse homem tem vínculos com terrorismo'. É preciso apresentar provas", declarou Hermes Rafael Saguier, porta-voz de Lugo.

Saguier se referia a um comunicado enviado por Washington, segundo o qual Hamed Franco estaria ligado a elementos radicais do Oriente Médio. Os diplomatas americanos que redigiram o comunicado não forneceram qualquer prova, limitando-se a mencionar "informações confidenciais".

Alejandro Hamed Franco, embaixador paraguiaio no Líbano, foi chamado pelo presidente Lugo, que tomará posse no dia 15 de agosto, para ocupar o cargo de ministro das Relações Exteriores.

Saguier avisou que se os Estados Unidos não fornecerem provas de suas afirmações, Hamed será confirmado no cargo na próxima semana.

O porta-voz lembrou que na época da ditadura do general Alfredo Stroessner (1954-1989), "muitos opositores ao regime autoritário integravam a lista de suspeitos de terrorismo dos Estados Unidos". "Com o passar dos anos, e depois de muitas reclamações, esses nomes foram retirados da lista porque não tinham consistência", frisou.

Saguier admitiu que Hamed Franco teve o visto recusado pelos Estados Unidos e que "sequer pode entrar em um avião pertencendo a uma companhia aérea americana".

"O futuro governo paraguaio não quer ceder frente a uma pressão baseada em dados de inteligência que desconhece", ressaltou o porta-voz presidencial.

hro/yw/sd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.