Lugo destaca acordo de Itaipu como avanço em 1º ano de Governo

Assunção, 14 ago (EFE).- O presidente paraguaio, Fernando Lugo, disse hoje em entrevista à Agência Efe que o acordo pelo qual o Brasil aceitou pagar mais ao Paraguai pela energia da usina hidrelétrica de Itaipu, um dos eixos de sua campanha eleitoral, foi um dos grandes avanços de seu primeiro ano de Governo.

EFE |

Lugo completa neste sábado um ano no poder e revelou que, depois do acordo com o Brasil, tentará negociar agora com a Argentina os valores a receber pela energia gerada na usina hidrelétrica de Yacyretá, dividida pelos países no rio Paraná.

Um dos pontos dessa negociação, disse o presidente, é "a questão da dívida, tanto para Itaipu, quanto para Yacyretá. Não entendemos que o orçamento de uma obra de grande envergadura, como a de Itaipu, por exemplo, seja de US$ 2 bilhões e exija gastos de quase US$ 20 bilhões. Há uma defasagem orçamentária significativa".

Além disso, Lugo falou que o Paraguai pede uma administração "paritária" de Yacyretá, assim como a possibilidade de vender sua eletricidade a outros países, algo já negociado com o Brasil em relação à Itaipu.

O presidente paraguaio lembrou que não conseguiu cumprir alguns dos objetivos fixados há um ano, quando assumiu o poder após seis décadas de domínio do Partido Colorado, mas assegurou que não perdeu "a esperança e a vontade".

"Pessoalmente e como equipe, não estamos satisfeitos com tudo o que conseguimos", disse o ex-bispo católico.

Lugo admitiu que ainda não conseguiu "arrancar com mais força em um dos eixos fundamentais da campanha (eleitoral), que é a reforma agrária integral", mas esclareceu que não contava com verbas para este fim nos orçamentos do Estado.

"Acho que também há erros na Administração, no sentido de que não chegamos às camadas inferiores com a luta contra a corrupção", declarou o presidente.

Lugo chegou ao poder após vencer as eleições gerais de 20 de abril de 2008 à frente da Aliança Patriótica para a Mudança (APC), uma coalizão de amplo espectro ideológico. EFE ja/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG