Lucas Mendes: Pedro, absolutamente

Na televisão do avião lá está o Pedro pelas ruas de Nova York. Você entra no táxi, entre o aeroporto e a cidade, lá esta ele noutro pedaço de Nova York.

BBC Brasil |

Você chega em casa, liga a televisão e dá de cara com o Pedro noutro endereço. Vá ao YouTube e dá Pedro.

O carioca Pedro Andrade, de 29 anos, está também nas revistas e jornais. Já foi homem da moda, agora está na moda e este Pedro não pára.

O sucesso dele, como a maioria dos bem sucedidos, é uma combinação de sorte, tenacidade, disciplina e ambição.

Ele estudava jornalismo no Rio - fez três anos - e estava a caminho de uma aula de inglês quando foi abordado por um estranho oferecendo emprego de modelo.

Com seus óculos de lentes grossas e num avacalhado moletom, Pedro desconfiou da proposta. Era autêntica.

Em pouco tempo estava no apartamento de uma agência de modelos em Nova York, que faliu logo depois da chegada dele. Não tinha onde dormir, bateu de porta em porta à procura de emprego.

Foi guardador de volumes, carregou gelo e, sem saber o que era Absolut, pediu emprego num bar como bartender. Nunca tinha feito um drinque na vida.

Não só emplacou, como hoje, Absolut, a vodka, patrocina um dos programas dele na rede NBC, onde ele entrou com a mesma cara de pau e de galã, numa audição aberta em busca da vaga de anfitrião de um programa sobre vida noturna de NY na internet.

Entre sua fase de bartender e anfitrião-repórter de televisão, Pedro refez a carreira dele de modelo. Nunca ganhou muito dinheiro, mas morou em várias cidades da Europa e se sente recompensado mais pela experiência.

Foi escolhido entre centenas, talvez milhares de candidatos, em busca da vaga de anfitrião. O programa dele pegou, mudou da internet para a televisão local, depois regional. Agora está em rede nacional.

Pedro faz dois programas: On the Rocks é um reality show onde ele pesquisa e revela o melhor bartender dos Estados Unidos.

1st Look é uma espécie de guia de Nova York. Cobre todas as áreas, de museus a bares secretos e, nesta categoria, Pedro recomenda três: PDT (as iniciais de Please Don't Tell), The Back Room e The Box.

Todos são escondidos, não tem nomes nas portas e fingem que não querem fregueses: "Em Nova York todo mundo quer ir onde não é convidado", foi uma das lições que o Pedro aprendeu.

O clube mais difícil de entrar neste momento é o Ten June, no Meat District. Vá lá e diga que foi recomendado pelo Pedro Andrade. Com certeza você vai ser barrado, mas se levar o Pedro junto, entra. As portas da cidade estão abertas para ele.

Pedro toma o pulso da crise: os bares estão cheios, mas restaurantes e lojas caras estão no sufoco.

Pedro foi um sucesso extraordinariamente rápido. Cabeça aberta, bom inglês falado e escrito e, mais importante, pé no chão. Fama e dinheiro são parte do jogo, mas não são prioridade. Você não sabe se esta falando com um desempregado ou uma nova estrela da tevê americana.

Diante deste cenário, vale a pena lembrar os milhares de brasileiros que estãoa caminho de volta, desempregados ou intimidados pela imigração. Uma reportagem do jornal O Globo desta semana fala em cinco mil brasileiros que partiram recentemente de volta só da região de Framington, em Massachusetts.

Um corretor brasileiro diz que vendia 30 imóveis por mês na região antes da crise. Hoje vende um em Massachusetts e 30 apartamentos na planta no Brasil.

São as esquinas da vida. A caminho do aeroporto, a bordo ou até mesmo do Brasil, podem acompanhar o sucesso absoluto do Pedro Andrade.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG