Lucas Mendes: O Rey da bunda

Robert Rey era Roberto, nascido e mal criado na rua Fausta no lado pobre da Lapa, perto do mercado, em São Paulo. O pai era ausente e preguiçoso.

BBC Brasil |

A família - quatro filhos - passava apertos na mesa e na cama. Roberto nem tinha uma. Dormia numa mesa.

Estudava na escola pública Pena Barreto. Era péssima escola e ele, péssimo aluno. Aos 10 anos, estava enturmado com uma gangue de crianças que roubava lojas três ou quatro vezes por semana. "No caminho certo do crime", me contou.

Numa noite, sem aviso, dois gringos bateram na porta da casa dele.

Eram jovens missionários mórmons, uns gigantes na visão do garoto Roberto.

Não precisaram de muito tempo para convencer os pais a entregar a eles metade dos filhos para estudar nos Estados Unidos.

Roberto e irmã foram parar em Utah, sede da igreja.

Roberto não é mórmom mas é profundamente grato. A guinada americana foi radical. O currículo de médico dele passa pela Universidade da Califórnia,Tufts e Harvard, onde fez um mestrado em Política de Saúde Pública na John Kennedy School of Government.

E serviu no governo como porta-voz e escritor dos discursos do Dr. C. Everett Koop, o "Surgeon General", um dos principais formuladores da política de saúde dos Estados Unidos.

O Surgeon General é o homem encarregado de informar ao país, entre outras coisas, que cigarro e outros produtos são cancerígenos.

A irmã dele também estudou em Harvard. Dois fenômenos.

A especialidade de Robert Rey era Cirurgia Plástica e Reconstrutiva e hoje ele é nosso Pitangui de Los Angeles, um dos mais famosos cirurgiões plásticos do país, em parte graças à televisão.

Pinta de galã, faixa preta em Tae Kwon Do, há seis anos foi contratado para fazer um reality show na rede E! Network com o seriado Dr. 90210, e o sucesso foi fundo.

Vai da casa de 900 metros quadrados para o trabalho numa Maserati e passa a maior parte do dia reconstruíndo seios e bundas.

Até há dois anos, na capital mundial da cirurgia plástica, a mais comum era do seio. Hoje é a chamada Brazilian Butt Lift ou Levantamento Brasileiro do Bumbum, que o Francis chamava de padaria. Eu prefiro quintal. Menos ofensivo.

"Antigamente a gente fazia lipoaspiração e jogava a gordura fora. Agora é lavada e usada para endurecer e arrendondar os bumbuns."
No programa dele fazem todos os tipos de cirurgias, de mudança de sexo a "reconstrução geral" de uma dançarina go-go mãe de seis filhos. De tudo caído e frouxo a tudo em pé e sólido.

Todos os anos, o doutor Rey deixa o consultório e passa pelo menos um mês em países pobres operando crianças e adultos de graça em cirurgias reconstrutivas.

Já passou por México, Brasil, Honduras. O próximo país será o Iraque, onde vai cuidar de crianças vítimas da guerra.

Roberto Rey foi pioneiro de algumas técnicas de cirurgia não invasivas e criou uma linha de cremes amazônicos. O português dele, para quem saiu do Brasil com 10 anos, é muito bom mas quando deu a lista das fontes milagrosas dos seus cremes chamou jatobá de jabota.

Além do jatobá, açaí, unha de gato e cabu cabu são os segredos dos seus cremes caros e penetrantes.

Em bunda, o Brasil é o país mais nobre e nosso Rey reina.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG