Londres se nega a divulgar minutas de reuniões cruciais sobre o Iraque em 2003

O governo britânico anunciou nesta terça-feira que imporá seu veto para evitar a publicação das minutas das reuniões cruciais realizadas em 2003 nas quais Tony Blair e seus ministros tomaram a polêmica decisão de participar da guerra do Iraque.

AFP |

O ministro da Justiça, Jack Straw, argumentou, em uma declaração à Câmara dos Comuns, que a divulgação das atas "atentaria gravemente" contra a confidencialidade das reuniões do gabinete ministerial.

"Não é de interesse público", acrescentou Straw para justificar o veto.

O tribunal encarregado de velar pelo respeito à liberdade de informação ordenou no final de janeiro a divulgação dos detalhes de duas reuniões realizadas nos dias 13 e 17 de março de 2003, nas quais foi avaliada a legalidade, segundo o Direito Internacional, de uma intervenção militar no Iraque.

"Decidimos que o interesse público de preservar a confidencialidade das atas de duas reuniões do gabinete, nas quais os ministros decidiram por uma ação militar no Iraque (...) é menor do que o interesse público de revelá-las", considerou no momento o tribunal.

O primeiro-ministro da época, Tony Blair, foi duramente criticado, tanto em seu país como no exterior, por seu apoio à decisão do então presidente norte-americano, George W. Bush, de invadir o Iraque sem a autorização da ONU em 2003.

et/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG