Londres preocupada com decisão do Mercosul sobre as Malvinas

Brasil, Argentina e Uruguai acordaram não permitir que navegações com a bandeira usem seus portos

AFP |

O Reino Unido declarou nesta semana estar muito preocupado com a decisão dos países do Mercosul de impedir que barcos com a bandeira das Malvinas atraquem em seus portos. O governo afirma que a decisão não tem justificativa.

Google Maps
Google, mesmo em português, aponta Ilhas Malvinas como Falkland Island
"Estamos muito preocupados com esta última tentativa da Argentina em isolar a população das ilhas Falklands (denominação britânica das Malvinas) e prejudicar seus sustentos, o que não tem qualquer justificativa", afirmou o ministério britânico das Relações Exteriores. Os países do Mercosul com litoral - Brasil, Argentina e Uruguai - acertaram na cúpula do bloco, na terça-feira, em Montevidéu, impedir que barcos com a bandeira das Malvinas atraquem em seus portos.

A declaração assinada pelos líderes do Bloco estabelece que os três países (Paraguai não tem litoral) adotarão "todas as medidas necessárias (...) para impedir o ingresso em seus portos de barcos com a bandeira ilegal das Ilhas Malvinas". O texto destaca que as embarcações rejeitadas por este motivo em algum porto da região "não poderão solicitar o ingresso em outros portos dos demais membros do Mercosul ou de Estados associados."

Além de Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, o Mercosul tem como Estados associados Equador, Peru, Colômbia e Chile, enquanto a Venezuela está em processo de plena adesão. A soberania das Ilhas Malvinas (Falklands para a Grã-Bretanha), situadas a 400 milhas marítimas da costa da Argentina e ocupadas pelo Reino Unido em 1833, tem sido reclamada com insistência por Buenos Aires junto às Nações Unidas e a outros organismos internacionais.

A Grã-Bretanha venceu a curta e sangrenta guerra nas Malvinas, em 1982, declarada após o regime militar argentino enviar tropas para invadir as ilhas no dia 2 de abril de 1982. Em 14 de junho, as forças argentinas se renderam, após a morte de 649 soldados argentinos e 255 militares britânicos.

    Leia tudo sobre: ilhas malvinasfalkland islandargentinamercosul

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG