Londres diz que acordo é essencial para permanência no Iraque

LONDRES (Reuters) - O chanceler britânico, Bill Rammell, afirmou nesta terça-feira que considera essencial para o Iraque definir nas próximas semanas os termos para a permanência das tropas britânicas no país mesmo depois do fim do mandato concedido pela ONU, no final do ano. Iraque e Estados Unidos há meses negociam um acordo que regulamente a continuidade da presença militar norte-americana, que já dura mais de cinco anos e meio. O principal item em discussão é a imunidade a ser concedida às forças dos EUA.

Reuters |

Depois que essa negociação estiver concluída, a Grã-Bretanha, que tem 4.100 soldados no Iraque, quer fechar um acordo semelhante.

"O que é crítico é que na verdade nos próximos dias ou semanas resolvamos esta questão, porque, se deixarmos para o final do ano e tivermos que ultrapassar o mandato da ONU, acho que isso passaria uma mensagem lamentável, que iria abalar o genuíno progresso que está sendo feito", disse Rammell à BBC.

Ele falava de Bagdá, onde discutia o chamado "acordo do status das forças."

De acordo com ele, tal acordo será importante para demonstrar que as forças britânicas estão no Iraque não mais sob a autoridade da ONU, e sim sob um acordo explícito com o governo local.

Iraque e EUA dizem que a força norte-americana, de cerca de 146 mil militares, ainda é necessária para proteger o país, apesar da expressiva melhora na segurança nos últimos 18 meses.

Além da possibilidade de tribunais iraquianos julgarem os soldados por crimes cometidos no país, há divergências também quanto aos prazos para a permanência.

O primeiro-ministro do Iraque, Nuri Al Maliki, disse em entrevista publicada na segunda-feira pelo jornal The Times, de Londres, que as forças britânicas de combate não são mais necessárias para manter a segurança no sul do Iraque.

"Sempre dissemos que queríamos reduzir nossos níveis de tropas se e quando os iraquianos conseguissem garantir a situação para si. Acho que vocês verão novas reduções", disse Rammell.

(Reportagem de Adrian Croft)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG