Loja de fantasias de Miami prevê vitória de Obama pela venda de máscaras

Miami, 3 nov (EFE).- Uma loja de fantasias de Miami, que há 28 anos tenta adivinhar o resultado das eleições nos Estados Unidos em função da quantidade de máscaras de candidatos que vende para a festa de Halloween, afirma que o vencedor do pleito de amanhã será o democrata Barack Obama.

EFE |

As máscaras de Obama se esgotaram na loja situada no bairro Little Havana de Miami, enquanto ainda há as do candidato republicano John McCain, disse à Agência Efe Jorge Torres, responsável do estabelecimento.

"Desde 1980 se manteve uma relação entre a venda de máscaras e o resultado das eleições", disse Torres, que graças a isso pôde prever o ganhador dos últimos sete pleitos presidenciais.

"Em 1980, Ronald Reagan ganhou nas máscaras e, posteriormente, foi presidente e (Jimmy) Carter perdeu no número de vendas. Em 1984, Reagan ganhou de novo, enquanto (Walter) Mondale perdeu e suas máscaras não venderam quase nada", lembrou Torres, de origem cubana.

Curiosamente, nessas eleições Reagan conseguiu a vitória mais arrasadora até o momento nas eleições presidenciais dos EUA e ganhou em 49 dos 50 estados do país.

Para este ano, o prognóstico do que ocorrerá amanhã é claro segundo o responsável do estabelecimento: "Este ano, as máscaras de Obama já se esgotaram e ainda sobram as de McCain. Houve um ponto em que Obama tinha vendido dez máscaras a mais que McCain" e por isso "nós pensamos que Obama será o vencedor".

O responsável da loja, aberta em Miami há 35 anos e em Cuba há cerca de um século, disse que esta tendência se manteve com a passagem das eleições.

Ele lembrou que eles inclusive acertaram o resultado apertado das polêmicas eleições de 2000, nas quais George W. Bush ganhou por muito pouco do candidato democrata Al Gore.

"Em 2000, a venda das máscaras de Bush e Al Gore estavam bem próximas (...) e nas eleições foram bem apertadas", disse o responsável desta loja da Eighth Street, uma área de Miami onde tradicionalmente os republicanos ganham.

No entanto, ele explicou que a compra das máscaras não significa necessariamente admiração pelo candidato.

Este ano, a festa de Haloween teve uma clara aparência eleitoral.

As máscaras e fantasias de diferentes políticos se tornaram peças comuns, o que fez com que se esgotassem na loja até as máscaras do atual presidente, George W. Bush, e de seus antecessores Bill Clinton, Richard Nixon e John F. Kennedy.

As máscaras da candidata republicana à Vice-Presidência, Sarah Palin, também venderam bastante.

Torres reconheceu que suas previsões "não têm base científica", mas disse que a relação de vendas e o resultado das eleições presidenciais coincidiu nos últimos anos. EFE abm/ab/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG