Livro que conta história falsa sobre o Holocausto causa polêmica nos EUA

Um livro sobre os campos de concentração da Segunda Guerra Mundial, supostamente baseado em fatos reais, deu origem a um forte debate nos Estados Unidos, onde um editor insiste em publicá-lo como obra de ficção, contrariando a opinião de muitos sobreviventes do Holocausto.

AFP |

"O anjo na cerca" (Angel at the Fence) relata a história, apresentada como real, de Herman Rosenblat, judeu sobrevivente do campo de concentração nazista de Schlieben, na Alemanha.

Rosenblat, hoje com 79 anos, conta que durante seu período de cativeiro, em 1945, uma menina jogava maçãs e outros alimentos para ele por cima da cerca do campo de concentração.

Doze anos depois, quando emigrou para os Estados Unidos, o sobrevivente conhece em Nova York uma jovem polonesa, Roma Radzicki, que segundo a história era a menina das maçãs, e eles se casam.

Rosenblat e Radzicki estão juntos até hoje e moram na Flórida.

O autor venceu um concurso literário com o relato, que inspirou um livro para crianças e teve seus direitos comprados por um estúdio de cinema para a produção de um roteiro adaptado.

Rosenblat chegou a ser convidado a participar do popular programa da apresentadora Oprah Winfrey, que descreveu seu livro como "a mais bela história de amor que eu já vi nos 22 anos desse show".

A editora Berkley Books, filial da Penguin, havia anunciado sua publicação para o próximo mês, mas precisou se retratar depois que a revista New Republic demonstrou, baseada em relatos de outros sobreviventes do Holocausto e de familiares de Rosenblat, que a história das maçãs era falsa.

Especialistas explicaram que seria impossível para a menina jogar as maçãs, considerando as características do lugar. Rosenblat então admitiu, através de seu agente, que este detalhe da história havia sido inventado.

Em um comunicado publicado na semana passada, a Berkley Books indicou que, além de cancelar a publicação de "O anjo na cerca", "pedirá ao autor e a seu agente que devolvam todo o dinheiro recebido pelo livro".

O caso gerou polêmica sobre o impacto negativo da história falsa e seu efeito contraproducente para a memória do Holocausto.

Mesmo assim, uma pequena editora de White Plains, em Nova York, a York House Press, insiste em publicar o livro, com algumas modificações.

"Entendemos a indignação sentida pelos historiadores do Holocausto que trabalham sem descanso para estabelecer fatos, e que devem garantir a integridade dos relatos de sobreviventes para combater antisemitas e negadores do Holocausto, que ainda são muitos", indicou a York House em um comunicado.

No entanto, continua, "acreditamos que as motivações de Rosenblat eram muito humanas, compreensíveis e perdoáveis".

A York House Press informa que "participou de sérias discussões para publicar uma obra de ficção baseada no roteiro, que passaria a se chamar 'Uma flor na cerca', sobre a vida e a história de amor de Herman Rosenblat".

ltl/ap

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG