Livni consegue acordo preliminar de coalizão em Israel

Jerusalém - O Partido Kadima, da ministra das Relações Exteriores de Israel, Tzipi Livni, assinou um acordo preliminar de coalizão com o Partido Trabalhista, do ministro da Defesa, Ehud Barak, na segunda-feira. O acordo deixa Livni mais próxima de se tornar a próxima primeira-ministra, disseram fontes políticas. Representantes dos dois partidos, que já são parceiros no governo do primeiro-ministro Ehud Olmert, do Kadima, firmaram o esboço do acordo, que ainda precisa ser finalizado e ratificado por instituições partidárias, disseram as fontes.

Reuters |

Acordo Ortográfico

Uma parceria política com o Partido Trabalhista deixaria Livni perto de atingir uma maioria parlamentar. Autoridades do Kadima dizem que Livni planeja continuar seus esforços para convencer o partido ultra-ortodoxo Shas a se juntar à coalizão liderada por ela.

Livni foi eleita pelos membros do Kadima no mês passado para substituir Olmert na liderança de seu partido. O atual primeiro-ministro renunciou em meio a um escândalo de corrupção, mas ainda continua no cargo, até que um novo governo seja formado.

Sob um mandato presidencial, Livni tem até o início de novembro para apresentar um novo gabinete. Caso não consiga, isso pode levar a eleições parlamentares antecipadas.

Pesquisas de opinião indicam que atualmente uma eleição seria vencida pelo partido direitista de oposição Likud, liderado por Benjamin Netanyahu.

Falando antes do acerto do pacto de coalizão, o ministro de gabinete do Partido Trabalhista, Ami Ayalon, disse: "Eu acho que isso será bom para o Partido Trabalhista e para Israel".

"No final, todos precisaremos de um governo com uma política muito, muito clara que dará ao público um senso de confiança, principalmente em relação à economia", disse Ayalon.

Tanto o Kadima quanto o Partido Trabalhista prometeram continuar tentando um acordo de paz com o presidente palestino Mahmoud Abbas. Negociações mediadas pelos Estados Unidos que se iniciaram no último mês de novembro progrediram pouco até agora.

Leia mais sobre: Israel

    Leia tudo sobre: israel

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG