Lituânia pede à Otan ajuda para vigiar espaço aéreo dos bálticos até 2018

Vilnius, 29 abr (EFE).- O presidente lituano, Valdas Adamkus, pediu hoje à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) para manter até 2018 a supervisão do espaço aéreo dos três países bálticos, Lituânia, Letônia e Estônia.

EFE |

"Nosso objetivo estratégico é procurar que a missão da Polícia aérea da Otan na zona do Báltico se prolongue pelo menos até 2018", afirmou Adamkus em Vilnius ao presidente do Comitê Militar da Aliança, o almirante italiano Giampaolo Di Paola.

Desta forma, a Otan não só "garantirá a segurança" dos Estados bálticos, mas também demonstrará que aplica a todos os países-membros critérios iguais em matéria de segurança, o que representa um "importante fator político e psicológico", disse.

Após a entrada na Otan de Lituânia, Letônia e Estônia, que não possuem forças aéreas próprias, a supervisão do espaço aéreo dessas nações ficou, desde 2004, a cargo de aviões e pilotos de Estados aliados, cujas missões de vigilância, por enquanto, estão aprovadas até 2011.

Adamkus e Di Paola conversaram sobre assuntos de segurança e potencial defensivo dentro da Otan, e o líder lituano reafirmou o compromisso do país com a operação multinacional aliada no Afeganistão, segundo a agência "Baltic News Service". EFE va/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG