Ligar Chávez ao terror seria arriscado para os EUA, diz Senado

Por Adriana Garcia WASHINGTON (Reuters) - Os Estados Unidos podem perder influência na América Latina caso decidam tomar medidas unilaterais contra a Venezuela devido às supostas ligações entre o presidente Hugo Chávez e a guerrilha colombiana Farc, segundo um relatório do Senado norte-americano.

Reuters |

Vários parlamentares, especialmente da direita republicana, querem que a Casa Branca inclua a Venezuela na lista de países patrocinadores do terrorismo, o que acarretaria sanções a Caracas.

Mas o relatório de 49 páginas ao qual a Reuters teve acesso, assinado por Carl Meacham, assessor do senador Richard Lugar (líder republicano na Comissão de Relações Exteriores), adverte que tomar essa decisão sem o apoio de entidades como a Organização dos Estados Americanos poderia ser contra-producente para os EUA.

'Se os fatos levam a essa opção, as autoridades deveriam assegurar que...as sanções diminuam, ao invés de reforçarem, a capacidade do presidente Chávez de mobilizar a opinião pública a seu favor, na Venezuela e no resto da América Latina', diz o texto.

A lista de países acusados pelos EUA de patrocinar o terrorismo atualmente é composta por Irã, Cuba, Coréia do Norte, Sudão e Síria.

Meacham, que visitou vários países da América Latina antes de preparar o relatório, recomendou cautela aos parlamentares na hora de votar sanções que possam isolar os EUA na América Latina, especialmente em questões comerciais e de ajuda.

O relatório foi enviado a todos os senadores e aos líderes da Câmara, preparando terreno para o resultado das investigações da Interpol sobre dados, presentes em computadores confiscados da guerrilha, que supostamente indicam uma ajuda política, bélica e financeira de Chávez às Farc, que é considerado um grupo terrorista pelos EUA e pela União Européia.

Os computadores pertenciam a Raúl Reyes, dirigente das Farc morto num bombardeio colombiano no início de março em território equatoriano, o que desatou uma crise regional.

A Interpol prometia entregar o resultado da investigação até o final de abril, o que não aconteceu. A imprensa colombiana agora diz que a divulgação deve ocorrer no próximo dia 15.

Há uma semana, os EUA divulgaram o seu relatório anual sobre o terrorismo no mundo, e a Venezuela não apareceu na lista, mas foi apontada pelo segundo ano consecutivo como um país que deixou de 'colaborar plenamente' com a luta contra o terrorismo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG