Ligação falsa pôs Paquistão em alerta máximo contra Índia

Por Simon Cameron-Moore ISLAMABAD (Reuters) - O Paquistão pôs suas forças em alerta máximo depois que alguém fingindo ser o ministro de Relações Exteriores da Índia telefonou para o presidente paquistanês, Asif Ali Zardari, ameaçando desencadear uma guerra após a cidade indiana de Mumbai ter sofrido uma série de ataques terroristas, informou o jornal Dawn, neste sábado.

Reuters |

"É verdade", disse à Reuters um diplomata com conhecimento da situação, ao ser indagado se a reportagem estava correta.

O Dawn afirmou que a pessoa que telefonou no dia 28 de novembro ameaçou com ação militar a menos que o Paquistão agisse imediatamente contra os responsáveis pela matança em Mumbai, iniciada dois dias antes.

Nas 24 horas seguintes a Força Aérea do Paquistão, país que possui armas nucleares, foi colocada em "alerta máximo" enquanto os militares observavam ansiosamente qualquer sinal de agressão indiana, diz o artigo do jornal.

As tensões estão elevadas entre os dois países desde que a índia acusou militantes islâmicos baseados no Paquistão pelos três dias de ataques em sua capital financeira, nos quais 171 pessoas morreram.

"A guerra podia não ser iminente, mas não era possível correr nenhum risco", disse uma autoridade paquistanesa, segundo o jornal Dawn.

O episódio desencadeou intensa diplomacia internacional, sendo que alguns líderes ocidentais temiam que a índia e o Paquistão pudessem cair para uma guerra inesperada, disse o jornal.

O jornal afirmou que a pessoa que telefonou, dizendo ser o chanceler indiano, Pranab Mukherjee, também tentou ligar para a secretária de Estado dos Estados Unidos, Condoleezza Rice, mas em razão de checagens específicas das autoridades norte-americanas a ligação não foi passada adiante.

Segundo o Dawn, Rice telefonou para Mukherjee no meio da noite para perguntar se ele havia adotado tal tom ameaçador, mas ele garantiu a ela que não tinha falado com Zardari.

O principal enviado britânico ao Paquistão, o alto comissário Wajid Shamsul Hassan, confirmou que o Paquistão temia um ataque.

"Recebi uma ligação de um amigo aqui no governo e ele disse que a situação é muito séria, os indianos estão ameaçando ir à guerra", afirmou Hassan ao serviço mundial de rádio da BBC.

"Eu conversei novamente com o presidente e o presidente também confirmou ter recebido uma ligação, uma ligação ameaçadora, da Índia", acrescentou.

Paquistão e Índia, que em 1998 se tornaram países com armas nucleares, quase foram à guerra em 2002 depois de um ataque de militantes ao Parlamento indiano, em 2001.

Mukherjee disse que suas discussões naquele dia com o chanceler paquistanês, Shah Mehmood Qureshi, que estava na ocasião em Nova Délhi, tinham sido cordiais.

Houve frenéticos telefonemas entre Washington, Islamabad e Nova Délhi para esfriar a temperatura e na noite de 29 de novembro a calma havia sido restabelecida.

O jornal Dawn disse que a equipe de Zardari não realizou a costumeira checagem de ligações para o presidente, mas o governo afirmou que Zardari recebeu o telefonema depois de ter sido verificado adequadamente que sua origem era o Ministério de Relações Exteriores da Índia.

O jornal disse que autoridades indianas negaram que os telefonemas tenham tido origem no seu Ministério e disseram que o número pode ter sido manipulado, segundo analistas de segurança.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG