La Paz, 16 jul (EFE).- Os presidentes reunidos em La Paz, em comemoração ao bicentenário da revolução da cidade contra o domínio espanhol, apoiaram hoje o líder deposto de Honduras, Manuel Zelaya, e pediram o fim da influência dos Estados Unidos nos exércitos da América Latina.

Morales se reuniu em La Paz com os presidentes da Venezuela, Hugo Chávez, do Equador, Rafael Correa e do Paraguai, Fernando Lugo, além do Ministro de Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, o vice-presidente do Conselho de Ministros de Cuba, Jorge Sierra, e representantes do Chile e da Espanha.

A chanceler do Governo deposto de Honduras, Patricia Rodas, que chegou junto a Chávez também foi ao encontro.

Em discurso precedido por um desfile militar "bolivariano" com cadetes e tropas de vários países, Morales pediu o fim da influência do Comando Sul dos EUA entre os militares da América Latina e que suas bases na região sejam rejeitadas.

"Não é possível que no novo milênio ainda haja grupos militares da América Latina que dependam do Comando Sul dos EUA. Não é possível que as Forças Armadas dos EUA dirijam um golpe de Estado", disse o líder.

O líder insistiu em responsabilizar o Comando Sul pelo golpe de Estado em Honduras e disse ter falado hoje com seus colegas convidados a La Paz sobre como terminar "com essa dependência das Forças Armadas da América Latina".

O governante também destacou que o povo de Honduras "está batalhando contra a ditadura e o golpe de Estado" e manifestou seu convencimento de que Zelaya voltará ao poder.

A ministra Patricia disse, por sua parte, que é preciso evitar que a "doença" do golpe em seu país se reproduza em outras regiões do continente.

"Este processo, que é um vírus perigoso para todos os nossos povos, nasceu em Honduras e vai a morrer em Honduras. Esta doença não vai atingir nenhum povo da América", disse. EFE ja/pd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.