Líderes religiosos fazem apelo pela paz e o diálogo

Roma, 18 nov (EFE).- Líderes cristãos, judeus, muçulmanos, budistas, hinduístas e xintoístas fizeram hoje em Nicósia uma apelo pela paz e o diálogo e denunciaram que os pobres são os mais atingidos pela crise econômica e as vítimas de um mercado que se acredita onipotente.

EFE |

Esta declaração foi feita no documento com o qual encerrou hoje na capital de Chipre o encontro organizado pela comunidade católica italiana de Sant'Egídio, que teve como lema "A civilização da paz: diálogo de religiões e culturas".

No texto, segundo um comunicado divulgado em Roma por Sant'Egídio, as duas centenas de participantes disseram que tinham se reunido no Chipre, "onde está o último muro de divisão da Europa", para rezar, dialogar e fazer com que cresça "uma civilização de paz, que o mundo necessita para não se tornar desumano".

Os líderes religiosos afirmaram que o mundo vive um "momento difícil" e que "um grande mundo de pobres pagará um alto preço" pela atual crise econômica atualmente existente.

"Pensamos com muita preocupação nos milhões de novos e antigos pobres, vítimas de um mercado que considera onipotente", declarou no documento, no qual afirmaram que chegou a hora "de escutar a dor de tantos e de trabalhar para fundar uma nova ordem mundial de paz".

Além disso, a justiça, o diálogo e o respeito dos mais fracos são os instrumentos para construir esta nova ordem mundial e destacaram a necessidade de que tem o mundo de paz.

"Queremos a paz. As religiões sabem que falar de guerra em nome de Deus é absurdo e uma blasfêmia e estão convencidas de que da violência e do terrorismo não nasce uma humanidade melhor. Não acreditam em um confronto inevitável entre religiões e sociedade e esperam e rezam para que entre os povos e os homens se construa uma verdadeira comunidade de paz", concluiu o texto. EFE jl/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG