Santo Domingo, 17 mar (EFE).- Impulsionar a agricultura, criar empregos e realizar eleições para consolidar a estabilidade política figuram entre as prioridades para a refundação do Haiti, concluíram hoje os participantes de uma reunião internacional realizada em Santo Domingo para debater os efeitos do terremoto de 12 de janeiro.

O primeiro-ministro do Haiti, Jean-Max Bellerive, e o presidente dominicano, Leonel Fernández, ressaltaram a importância de melhorar a agricultura para elevar a produção de alimentos e criar empregos capazes de garantir a capacidade aquisitiva da população haitiana.

Serão necessários cerca de US$ 800 milhões para reestruturar a agricultura no país, segundo cálculos apresentados hoje pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

Bellerive defendeu, além disso, a criação de um fundo com vários doadores, administrado pelo Banco Mundial e, de forma paralela, um órgão que determinaria as principais necessidades de financiamento, co-presidido por ele e pelo enviado especial da ONU para o Haiti, o ex-presidente americano Bill Clinton.

Esse fundo funcionaria durante 18 meses, até a criação de uma Agência para a Reconstrução do Haiti, que ficaria sob responsabilidade do Governo do país. "Queremos que o futuro do Haiti seja decidido essencialmente pelos haitianos", assegurou Bellerive.

A reabertura das escolas, criação de fundos que garantam a estabilidade do sistema bancário e a realocação de cerca de 1 milhão de pessoas que vivem em acampamentos nas ruas são outras das prioridades.

O primeiro-ministro insistiu na necessidade de fornecer apoio orçamentário ao Haiti e afirmou que "a democracia está em jogo" no país caribenho. Ele ressaltou, que embora o clima pareça calmo, é necessário realizar eleições em um ambiente "sereno".

Fernández, por sua vez, considera "urgente" conseguir um compromisso internacional para fornecer ao Haiti 130 mil barracas para alojar as cerca de 1,3 milhão de pessoas que vivem em acampamentos improvisados. O governante defende que o acordo deve ser fechado ainda na cúpula mundial que será realizada em Nova York no dia 31 de março.

Para o líder dominicano, a construção de milhares de casas dentro de um plano de descentralização de Porto Príncipe e a criação de pólos de desenvolvimento ligados a áreas econômicas precisas e a implantação de novas tecnologias são alguns dos desafios que o Haiti deverá enfrentar.

Fernández também fez alusão à necessidade de impulsionar o desenvolvimento de infraestruturas turísticas e de programas que incentivem o investimento na região, além de educação.

Ele sugeriu ao primeiro-ministro haitiano que tenha um "diálogo construtivo e permanente com a sociedade haitiana" na reconstrução do país, porque na medida em que todos os setores se unam a esse objetivo, os planos serão mais eficazes.

O chefe civil da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti, Edmond Mulet, por sua vez, defendeu iniciativas como os programas de criação de emprego para mulheres, a concessão de microcréditos e a criação de microempresas como elementos necessários para a reconstrução.

Também apoiou a realização de eleições para conseguir a estabilidade política e a reforma da Constituição. Mulet acrescentou que considera "urgente" alojar às pessoas que permanecem em acampamentos nas ruas, porque o "Haiti não pode se dar o luxo de outro desastre humanitário".

O chefe da missão da ONU disse ainda que gostaria de ver o Haiti como uma economia moderna e dinâmica em 2030, onde as necessidades essenciais estejam satisfeitas e haja um Governo forte que garanta as liberdades. Para ele, a cúpula de Nova York "não é mais que um ponto de quebra rumo a um Haiti próspero, estável e viável".

Divulgado hoje, o relatório internacional sobre o terremoto informa que a catástrofe resultou em 222.570 mortos e US$ 7,754 bilhões em danos. Já o governo haitiano estima que sejam necessários US$ 11,5 bilhões para reconstruir o país.

A catástrofe também deixou 869 pessoas desaparecidas, 310.928 feridos e 1,5 milhão de desabrigados diretos. EFE jsm/pb-sa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.