Líderes mundiais buscam ação coletiva para conter crise

Líderes de diferentes países reforçaram os pedidos por uma ação coletiva para conter os efeitos da crise financeira global. Esse foi o tema das conversas telefônicas mantidas nesta terça-feira pelo presidente dos Estados Unidos, George W.Bush, com líderes da Itália, da França e da Grã-Bretanha.

BBC Brasil |

O governo americano também disse estar aberto à possibilidade de realizar um encontro de emergência de lideranças internacionais a respeito da crise, como propôs o presidente francês, Nicolas Sarkozy.

Mas a porta-voz da Casa Branca disse que as atenções das autoridades americanas estão voltadas para a reunião de ministros das Finanças dos países que integram o G7, no próximo fim de semana, em Washington.

A reunião integra os eventos que compõem o encontro semestral do FMI e do Banco Mundial.

Diferentes estruturas

O FMI fez um apelo idêntico por uma solução coletiva nesta terça-feira, durante a divulgação do relatório Estabilidade Financeira Global. No documento, o Fundo pede "um compromisso coletivo".

Para o do diretor do Departamento Monetário e de Capitais do FMI, Jamie Caruana, governos de diferentes nações devem ajudar insituições financeiras a se capitalizar, comprando dívidas podres ou injetando recursos públicos nessas instituições.

O FMI estima ainda que, nos próximos cinco anos, os grandes bancos globais precisarão de investimentos na ordem de US$ 675 bilhões.

Caruana enfatizou que a necessidade de agir coletivamente não significa que diferentes países tenham de proceder de forma idêntica.

"A mesma solução não se aplica a todos", afirmou Caruana. "Diferentes países contam com diferentes instituições, com diferentes estruturas. Mas é preciso evitar que o que acontece em um país se espalhe para outro."

Para saber mais:

Leia mais sobre crise financeira

    Leia tudo sobre: crise financeira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG