Líderes israelense e palestino reúnem-se em Jerusalém

Por Adam Entous JERUSALÉM (Reuters) - O primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, e o presidente palestino, Mahmoud Abbas, reuniram-se na segunda-feira pela primeira vez em mais de um mês, em meio a poucos sinais de progresso em negociações de paz marcadas por desavenças sobre os assentamentos e a violência.

Reuters |

Os Estados Unidos intensificaram as pressões para que os dois lados adotem medidas capazes de trazer confiança mútua. O presidente George W. Bush prepara-se para visitar a região em maio.

Mas Olmert disse que dará prosseguimento às obras de construção em dois assentamentos judaicos e em Jerusalém, apesar de protestos da comunidade internacional contra essas manobras.

O encontro de segunda-feira foi o primeiro entre os líderes desde o dia 19 de fevereiro.

Abbas suspendeu por um curto período os contatos no mês passado, depois de Israel ter matado mais de 120 palestinos, muitos deles civis, em uma ofensiva lançada na Faixa de Gaza, território controlado pelo grupo militante Hamas.

O governo israelense afirmou que a incursão tinha por objetivo acabar com os disparos de foguete realizados por militantes através da fronteira.

Autoridades palestinas e de Israel disseram que o encontro, ocorrido na casa de Olmert em Jerusalém, significaria uma chance de avaliar a situação das negociações de paz lançadas em uma conferência realizada em Annapolis, EUA, em novembro.

O governo norte-americano espera que os dois lados selem um acordo para criar um Estado palestino antes de Bush deixar seu cargo, em janeiro.

'Estamos negociando com toda a seriedade e buscamos chegar a um acordo sobre as questões do status final. Mas não selaremos um acordo a qualquer preço', afirmou Abbas no domingo a membros da facção Fatah, à qual pertence.

O Hamas, que assumiu o controle da Faixa de Gaza em junho após ter expulsado dali as forças da Fatah, afirma que as negociações de Abbas com Olmert não passam de uma 'farsa'.

Os principais negociadores -- a ministra israelense das Relações Exteriores, Tzipi Livni, e o ex-primeiro-ministro palestino Ahmed Qurie -- vêm se encontrando regularmente e deveriam participar do encontro de segunda-feira entre Olmert e Abbas, disseram autoridades de Israel.

O plano de paz conhecido como 'mapa do caminho', há muito paralisado e centro das primeiras negociações de paz israelo-palestinas em sete anos, exige que o Estado judaico suspenda as obras de construção em assentamentos na Cisjordânia e que retire da região os postos avançados erguidos por colonos judeus sem autorização oficial.

O acordo obriga os palestinos, de outro lado, a coibirem as ações dos grupos militantes.

(Reportagem adicional de Adam Entous e Wafa Amr em Jerusalém, e Nidal al-Mughrabi em Gaza)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG