Líderes da oposição escapam de prisão na Tailândia

Líderes da oposição ao governo da Tailândia que coordenam uma onda de protestos escaparam de ser presos nesta sexta-feira, protagonizando uma fuga audaciosa de um hotel de Bangcoc.

BBC Brasil |

Policiais entraram no hotel de luxo SC Park em busca de Arisman Pongruanrong, Phayup Panket, Suporn Atthawong e Pramual Chuklom. Os três coordenam os protestos que há cinco semanas vêm reunindo milhares de manifestantes da Frente Unida pela Democracia contra a Ditadura (UDD, na sigla em tailandês).


Arisman Pongruanrong escapa pela janela do hotel / AP

Conhecidos como camisas vermelhas, os manifestantes exigem que o primeiro-ministro Abhisit Vejjajiva renuncie ao cargo e convoque eleições.

A fuga de um dos líderes, Arisman, foi flagrada pelas câmeras de TV e mostram o oposicionista descendo por uma corda de uma sacada no terceiro andar do hotel e chegando até um veículo em que outros membros do movimento o aguardavam.

A inusitada perseguição foi qualificada pela imprensa local como "cena de filme do 007". A fuga de Arisma e dos outros três líderes é particularmente constrangedora para as autoridades tailandesas porque o vice-primeiro-ministro Suthep Thaugsuban anunciou na TV que a operação resultaria na prisão dos líderes oposicionistas.

"Enquanto falo com vocês, forças especiais circundam o hotel SC Park, onde terroristas estão alojados... Nós vamos prender e oprimir esses terroristas. Já designamos forças especiais para isso", disse Suthep.

Sites de jornais locais, como o The Nation, chegaram a anunciar brevemente que as prisões haviam sido realizadas. O porta-voz da polícia, Panitan Wattanayakorn, admitiu o fracasso da operação.

Protestos

No último sábado, 10 de abril, confrontos entre camisas vermelhas e a polícia resultaram em mais de 20 mortes, no confronto mais sangrento na Tailândia desde o começo da década de 1990.


Tailandeses fazem manifestação com caixões das vítimas de confrontos / Reuters

Os quatro líderes e outros 24 membros da UDD são procurados pela polícia, acusados de terem incitado a violência que resultou nas mortes.

A confusão começou depois que a polícia tentou remover os manifestantes acampados no centro de Bangcoc.

Acampamento

O acampamento de dezenas de milhares de simpatizantes da UDD no centro da capital levou à interdição de algumas das maiores avenidas da cidade e fechou o principal distrito comercial.

Os camisas vermelhas argumentam que o atual primeiro-ministro Abhisit Vejjajiva não é um líder reconhecido, pois foi eleito pelo Parlamento, e não por voto direto.

Vejjajiva disse que está disposto a ouvir os manifestantes, mas não pretende renunciar. Duas rodadas de conversas foram improdutivas, e as negociações estão suspensas.

Desde o começo dos protestos, o Exército tem se mantido leal a Vejjajiva. A crescente pressão popular, porém, e rumores de divergências dentro da coalizão governista são indícios de que a liderança de Vejjajiva não é inabalável, na opinião de especialistas.

AFP

Manifestantes acampam no centro de Bangcoc

A UDD se define como "uma coalizão de descontentes que busca a democracia como fundamento para a política tailandesa".

Formada na maioria por moradores das regiões rurais da Tailândia, a frente apóia também o ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra, um bilionário deposto em 2006 em um golpe de Estado. Shinawatra vive no exílio e foi condenado à revelia por corrupção.

Assista ao vídeo:

Leia mais sobre Tailândia

    Leia tudo sobre: tailândia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG