Um líder tribal afegão acusou, nesta quinta-feira, simpatizantes do atual presidente do país, Hamid Karzai, de fraudar cerca de 30 mil votos nas eleições presidenciais de 20 de agosto. Cerca de duas mil acusações de irregularidades no pleito foram registradas, mas a nova denúncia é considerada a mais grave até o momento.


Haji Mohammed Bareez, líder da tribo Bareez na região sulista de Kandahar, afirmou à BBC que, pouco antes das eleições, sua tribo anunciou que apoiaria o candidato oposicionista Abdullah Abdullah por estar insatisfeita com o governo.

Mas, no dia da votação, eles teriam sido impedidos de votar, segundo Bareez.

"Ninguém do distrito de Shorabak votou", afirma o líder tribal. "Não foram trazidas cédulas eleitorais para cá. Eles (simpatizantes de Karzai) encheram as caixas com cédulas falsas. Até onde sei, 29.823 cédulas eleitorais foram computadas como sendo deste distrito."

Bareez declarou ainda que a alegação poderia ser facilmente comprovada com uma investigação simples nos títulos e cédulas eleitorais.

Denúncia rejeitada

A denúncia foi rejeitada pelo irmão do presidente, Ahmed Wali Karzai, que chefia o conselho da província de Kandahar.

"A acusação é infundada e, se alguém tiver qualquer reclamação a este respeito, deve entrar em contato com a comissão de reclamações", afirmou Karzai. "Ficarei mais do que feliz em responder qualquer dúvida."
Ahmed Karzai diz que a oposição faz as alegações por ter perdido as eleições e, como consequência, estaria tentando sabotar o processo eleitoral.

Bareez afirma que o irmão do presidente é poderoso em Kandahar e diz temer que sua tribo sofra represálias no futuro.

Resultados

O grande volume de denúncias pode atrasar o anúncio do resultado das eleições previsto para 17 de setembro.

Com pouco mais de 60% do total apurado, Karzai tem cerca de 47% dos votos e Abdullah, 32% das preferências. Se algum candidato alcançar 50% dos votos, não há segundo turno.

Países ocidentais minimizaram o risco de fraude eleitoral, mas disseram que um resultado justo é vital para a legitimidade do novo governo.

O temor é que uma eleição que não seja considerada justa pelos afegãos possa prejudicar os esforços para estabilizar o país.

Apesar dos problemas, o enviado especial dos Estados Unidos ao Afeganistão, Richard Holbrooke, disse que o governo americano não terá problemas em lidar com Karzai caso o presidente seja declarado o vencedor das eleições.

De acordo com Holbrooke, irregularidades são comuns em eleições democráticas.


Leia mais sobre Afeganistão

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.