Líder opositor rejeita sanções da UA contra Mauritânia

Nuakchott, 7 fev (EFE).- O líder da oposição parlamentar na Mauritânia, Ahmed Ould Daddah, rejeitou as sanções aprovadas pela União Africana (UA) contra a Mauritânia devido ao golpe de Estado de 6 de agosto do ano passado.

EFE |

Em entrevista publicada hoje por uma agência independente de Nuakchott, Daddah disse em que seu partido, o Reagrupamento de Forças Democráticas (RFD), é "contra de qualquer bloqueio".

Daddah considera que as consequências das sanções serão "catastróficas, inclusive se forem individuais, já que levarão ao isolamento da Mauritânia no campo das finanças e do investimento, e no conjunto do cenário internacional".

O líder parlamentar acredita que a transferência do caso mauritano ao Conselho de Segurança da ONU poderia ser "muito grave".

"Em primeiro lugar, porque todos os países do mundo devem aplicar as sanções do Conselho de Segurança e, além disso, porque não podemos prever que medidas tomará o Conselho", disse.

Daddah acrescentou que seu partido iniciará uma campanha interna e externa para divulgar seu plano para sair da crise, que se baseia em que nem o deposto presidente Sidi Mohammed Ould Cheikh Abdallahi nem os militares possam participar das próximas eleições presidenciais. O pleito foi marcado para 6 de junho. EFE mo-er/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG