Líder opositor da Guatemala denuncia complô para assassiná-lo

Guatemala, 26 mai (EFE).- O general reformado Otto Pérez Molina, líder da oposição na Guatemala, denunciou hoje a existência de um complô para assassiná-lo, no qual estariam envolvidos agentes da Polícia Nacional Civil (PNC).

EFE |

Pérez é líder do Partido Patriota (PP), com o qual disputou e perdeu a Presidência em 2008 para Álvaro Colom.

Em entrevista coletiva, ele disse que o plano foi descoberto após a confissão de um homem que cometeria o crime e que agora virou testemunha protegida do Ministério Público (MP).

De acordo com o militar, policiais "corruptos" da cidade de Quetzaltenango, oeste do país, teriam "sido comprados" para assassiná-lo e para matar a deputada Roxana Baldetti, líder do bloco parlamentar do PP.

O ex-candidato presidencial ressaltou que outra pessoa foi detida por envolvimento nesse suposto complô, a qual identificou como Juan Antonio Ordónez Hernández.

Pérez Molina assegurou que levou o plano ao conhecimento da Procuradoria de Direitos Humanos (PDH) e da Comissão Internacional Contra a Impunidade (CICIG).

Além disso, disse, apresentou a denúncia ao secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), o chileno José Miguel Insulza, que visitou nesta segunda-feira a Guatemala. EFE oro/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG