Líder iraniano ironiza secretário dos EUA e acusa país de jogo duplo no Afeganistão

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, acusou nesta quarta-feira os EUA de fazer jogo duplo no Afeganistão, depois que Washington usou o mesmo termo para condenar o papel do Irã no país asiático. O Irã não desempenha um papel na insegurança no Afeganistão. Sempre estivemos ao lado do governo e do povo afegãos para a segurança no Afeganistão, afirmou.

iG São Paulo |

Em visita à capital afegã, Cabul, Ahmadinejad criticou as forças internacionais no Afeganistão, reiterando que sua presença não é uma solução para a paz por estimular a resistência da milícia islâmica Taleban. "A solução passa pelo controle da situação por parte do governo legal do Afeganistão", declarou Ahmadinejad ao lado do presidente afegão, Hamid Karzai.

AFP
Ahmadinejad e Karzai em Cabul

Ahmadinejad e Karzai em Cabul

A visita de Ahmadinejad representa o primeiro encontro entre os dois chefes de Estado desde a reeleição de ambos, em 2009.

Ahmadinejad aproveitou a ocasião para ironizar o secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, que visita Cabul desde segunda-feira, ao perguntar o que ele faz a 12 mil quilômetros de casa. "O senhor está a 12 mil quilômetros (de distância dos EUA), no outro lado do planeta. O que  faz aqui? É um assunto sério", disse.

A declaração foi feita depois de um jornalista lhe pedir que comentasse as declarações de Gates de que o Irã faz uma jogo duplo no Afeganistão. "O tema é mais o que ele faz nesta região?", indagou com um sorriso. "Está aqui para deter os terroristas? Se está aqui por outro motivo, deve ter a coragem de reconhecer."

Em junho de 2009, Gates acusou o Irã de desempenhar um papel duplo no Afeganistão por mostrar-se amigo do governo afegão ao mesmo tempo em que fornecia armas aos militantes que atacam os soldados da Otan (Organização do Atlântico Norte).

O presidente iraniano acusou o governo dos EUA de utilizar o terrorismo como "desculpa" para justificar a presença no território afegão, afirmando que foram os EUA que possibilitaram o surgimento do Taleban e da rede terrorista Al-Qaeda. "Eles os planejaram, deram dinheiro, forneceram apoio de inteligência", declarou.

Questionado sobre a presença de Ahmadinejad na capital afegã, Gates afirmou nesta quarta-feira que os Estados Unidos desejam que o Afeganistão tenham "boas relações" com todos os vizinhos.

AFP
Gates inspeciona tropas em Cabul

Gates inspeciona tropas em Cabul

Interesse comun anti-Taleban

Os Estados Unidos lideraram a coalizão internacional que, no fim de 2001, derrubou o regime Taleban no Afeganistão por ter abrigado a Al-Qaeda, que lançou os ataques do 11 de Setembro nos EUA.

Movimento extremista sunita, que hostiliza igualmente os ocidentais e os xiitas iranianos, o Taleban governou o Afeganistão de 1996 a 2001. Por causa disso, Teerã e Washington, apesar de seu antagonismo, têm o interesse comum de impedir o retorno do grupo ao poder.

No sábado, segundo a imprensa estatal iraniana, Ahmadinejad chamou os atentados de 11 de Setembro de 2001 de "grande mentira", que serviu de pretexto para a invasão do Afeganistão.

O Irã tem relações estreitas com o Afeganistão e recebeu milhões de refugiados afegãos expulsos pelos incessantes conflitos no país nos últimos 30 anos.

*Com informações da BBC e AFP

Leia mais sobre Afeganistão

    Leia tudo sobre: afeganistãoahmadinejadeuaeua no afeganistãoirã

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG